O cotidiano de uma devoção

a capela de Nossa Senhora da Purificação da Vila do Príncipe e suas irmandades, comarca do Serro do Frio, Minas Gerais, 1713-1920

Autores

  • Danilo Briskievicz Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG), Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, doserro@hotmail.com

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v26i2.64606

Resumo

A capela de Nossa Senhora da Purificação foi edificada nos primeiros anos de exploração das minas do Serro do Frio, entre 1702 e 1713. Sua história pode ser contada em torno do conceito de gesto pedagógico colonial, ou seja, o que esses homens e mulheres que a construíram e a mantiveram, organizados em irmandades leigas queriam ensinar e aprender, em constante processo de criação e recriação de suas sociabilidades. Problematizamos a permanência da capela no centro da Vila do Príncipe e como sua presença no centro comercial do século XIX e a questão dos sepultamentos reverberava conflitos sociais ligados à economia da escravidão. Usando a metodologia de pesquisa bibliográfica, narramos o cotidiano desses personagens em torno da abordagem microhistórica e da história cultural. O resultado do estudo se apresenta à medida em que se desenvolve a narrativa e aponta para a disputa de espaço urbano ao final do século XIX e primeiros anos do século XX, quando a capela foi demolida aparentemente sem questionamentos da elite serrana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARQUIVO CENTRAL DO IPHAN SEÇÃO RIO DE JANEIRO. Fotografia. Antigo chafariz da Purificação, em fotografia de Antônio Lima da Costa, cerca de 1920.

ARQUIVO CENTRAL DO IPHAN SEÇÃO RIO DE JANEIRO. Fotografia. Capela de Nossa Senhora da Purificação, 1915.

ARQUIVO ECLESIÁSTICO DA ARQUIDIOCESE DE DIAMANTINA. Livro de Termos e Concordatas da Arquiconfraria de São Francisco, 1843, 100fl.

ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO. Requerimento dos homens pardos e pretos da Vila do Príncipe, irmãos da Arquiconfraria do Cordão de São Francisco, solicitando a D. Maria I a mercê de lhes confirmar os estatutos da referida confraria. Vila do Príncipe, 31/01/1785, Cx. 123, Doc. 9683.

ARQUIVO IPHAN SERRO. Aforamentos. 1761, Doc. 01, Cx. 43.

ARQUIVO IPHAN SERRO. Vereações 1735-1742, Doc. 03 Cx. 03; 1769-1774, Doc. 03 Cx. 47; 1796-1799, Doc. 02, Cx. 49.

ARQUIVO JUDICIAL DO SERRO. Livro de Registro de Testamentos. Jacinta de Siqueira, 1751, fl. 33v.-38v.

ARQUIVO PESSOAL MARIA EREMITA DE SOUZA. Cadernos. Caderno [18] 09-09-1971 Caderno Escolar, n.p.; Caderno [44] 24-05-1977 Losango Verde Tilibra, n.p.; Caderno [45] 08-07-1977 Sem Capa, n.p.; Caderno [54] 09-02-1978 Azul e Branco Estrela, n.p.; Caderno [132] 10-02-1987 São Luiz, n.p.

BOSCHI, Caio César. Os leigos e o poder. Irmandades leigas e política colonizadora em Minas Gerais. São Paulo: Editora Ática, 1986.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 2. ed. Lisboa: Edições 70, 2011.

BRISKIEVICZ, Danilo Arnaldo. A arte da crônica e suas anotações: história das Minas do Serro do Frio à atual cidade do Serro em notas cronológicas. (14/03/1702 a 14/03/2003). Porto Alegre: Revolução E-book – Simplíssimo, 2017.

CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. Preconceito racial em Portugal e Brasil Colônia. Os cristãos-novos e o mito da pureza de sangue. 3.ed. rev. amp. São Paulo: Perspectiva, 2005.

CARRATO, José Ferreira. Igreja, iluminismo e escolas mineiras coloniais. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1968.

CHARTIER, Roger. O mundo como representação. Estudos Avançados, v. 5, n. 11, 1991, p. 173-191.

COMPROMISSO DA IRMANDADE DE NOSSA SENHORA DO ROZÁRIO NA FREGUEZIA DA CONCEYÇÃO DA VILLA DO PRÍNCIPE DO SERRO DO FRIO NO ANNO DE 1728. Serro: Edição do Autor, 1979 (mandado imprimir por José Nunes Mourão, Zé de Fina).

FERREIRA, Maria Clara Caldas Soares. A Arquiconfraria do Cordão de São Francisco da Vila Nova da Rainha do Caeté: aspecto histórico, devocional e artístico. Revista de História da UEG, Morrinhos, n. 8, v. 2, 2019.

FONSECA, Cláudia Damasceno. Arraiais e vilas d’el rei. Espaço e poder nas Minas setecentistas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

FONSECA, José da; ROQUETE, J.-I. Diccionário da Língua Portugueza. Paris, Lisboa: Guilard, Aillaud e Cia., 1848.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 6.ed. Rio de Janeiro/São Paulo, Paz e Terra, 2017.

GINZBURG, Carlo; CASTELNUOVO, Enrico; PONI, Carlo. A micro-história e outros ensaios. Lisboa: Difel, 1989.

MARTINS, Judith. Dicionário de artistas e artífices dos séculos XVIII e XIX em Minas Gerais. Rio de Janeiro: Departamento de Assuntos Culturais, Ministério da Educação e Cultura, 1974.

MORAIS, Geraldo Dutra de. História de Conceição do Mato Dentro. Belo Horizonte: Biblioteca Mineira de Cultura, 1942.

PAIVA, Eduardo França. Dar nome ao novo. Uma história lexical da Ibero-América entre os séculos XVI e XVIII. As dinâmicas de mestiçagens e o mundo do trabalho. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

PINTO, Luiz Antônio. Memórias municipaes. Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte/MG, n. VII, p. 939-962, 1902.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Viagem pelas províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. São Paulo: Itatiaia, 1934.

SARTRE, Jean-Paul. O ser e o nada. Ensaio de Ontologia Fenomenológica. 24.ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia. Ed. Comemorativa. Campinas/SP: Autores Associados, 2008.

SENNA, Nelson Coelho de. Memória histórica e descriptiva da cidade e município do Serro. Ouro Preto: Typ. Ferreira Lopes & C., 1895.

SCARANO, Julita. Devoção e escravidão. A irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos do Distrito Diamantino no século XVIII. 2. Ed. Dão Paulo: Companhia Editora Nacional, 1978.

SILVA, António de Morais. Diccionario da lingua portugueza composto pelo padre D. Rafael Bluteau. Reformado, e accrescentado por Antônio de Morais Silva natural do Rio de Janeiro. Lisboa: Officina de Simão Thaddeo Ferreira, 1789 (2 vols.).

SILVA, Dario Augusto Ferreira da. Memória sobre o Serro antigo. Serro: Typographia Serrana, 1928.

VIDE, Sebastião Monteiro da. Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia. São Paulo: Edusp, 2010 [1707].

VILLALTA, Luiz Carlos. A igreja, a sociedade e o clero. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLALTA, Luiz Carlos (Orgs.). História de Minas Gerais. As minas setecentistas 2. Belo Horizonte: Autêntica; Companhia do Tempo, 2007, p. 25-57.

Downloads

Publicado

2021-11-04

Como Citar

BRISKIEVICZ , D. O cotidiano de uma devoção: a capela de Nossa Senhora da Purificação da Vila do Príncipe e suas irmandades, comarca do Serro do Frio, Minas Gerais, 1713-1920. História Revista, Goiânia, v. 26, n. 2, p. 354–377, 2021. DOI: 10.5216/hr.v26i2.64606. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/64606. Acesso em: 3 out. 2022.