O Movimento Master e o Acampamento Capão da Cascavel

Bases históricas dos movimentos de luta pela terra no Norte do Rio Grande do Sul – 1960-62

Autores

  • Joao Carlos Tedesco UPF
  • Joel João Carini

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v26i3.59646

Resumo

O artigo analisa aspectos do contexto em que se desenvolveram algumas ações do Master no norte do Rio Grande do Sul; centraliza seu foco no acampamento Capão da Cascavel por ter sido central nas ações desse movimento social e num cenário de grande expressão das contradições da propriedade da terra no estado sulino. Utiliza referenciais bibliográficos, documentos e notícias de jornais para fundamentar a importância do acampamento; conclui que o Master condensou um contexto efervescente de demandas e pressões pela terra, envolveu múltiplas instituições, mas com a centralidade da esfera pública personificada no governador Brizola. As ações do governador em prol da reforma agrária foram fundamentais para a sequência desse processo na história dos movimentos de luta pela terra por pequenos agricultores e indígenas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joao Carlos Tedesco, UPF

Doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (1998), especialista em economia. Fez estágio de pós-doutoramento (2002) e de professor visitante (2009, 2014 e 2018) e Visiting Researcher em 2022 na Universidade de Verona - Itália. Fez também segundo pós-doutoramento (2011) na Universidade de Milão (Itália). Atualmente é professor colaborador junto ao PPGH (Mestrado e Doutorado) na Universidade de Passo Fundo.

Joel João Carini

Doutor em Desenvolvimento Rural pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. Atualmente é professor do Instituto Federal Farroupilha - Campus Frederico Westphalen.

Downloads

Publicado

2023-01-31

Como Citar

TEDESCO, J. C.; CARINI, J. J. O Movimento Master e o Acampamento Capão da Cascavel: Bases históricas dos movimentos de luta pela terra no Norte do Rio Grande do Sul – 1960-62. História Revista, Goiânia, v. 26, n. 3, p. 134–158, 2023. DOI: 10.5216/hr.v26i3.59646. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/59646. Acesso em: 22 maio. 2024.