Los dos Alfonsos

reyes, obispos y el arca santa de las reliquias de San Salvador de Oviedo

Autores

  • Raquel Alonso Álvarez Univeridad de Oviedo

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v24i1.57724

Resumo

Entre fins do século IX e a terceira parte do seguinte, se organiza na Catedral de Oviedo um santuário de peregrinação ao redor das relíquias contidas na chamada Arca Santa. A história de sua origem, composição e culto depende fundamentalmente do corpus literário composto por Pelayo de Oviedo na primeira parte do século XII. Nesta versão, a Arca procederia em último momento de Jerusalém, chegando às Astúrias, após várias vicissitudes, coincidindo com a insurreição do príncipe Pelayo contra os muçulmanos. Após um tempo depositada abaixo de uma tenda de campanha, Afonso II, como um novo Salomão, a instalou no edifício que conhecemos atualmente como Câmara Santa. Esta versão substituiu a outra, mais simples e antiga, em que o rei Afonso II protagonizava o relato de inventio. Neste artigo tentarei explicar de que modo o relicário passou de emblema do poder monárquico, ao diocesano. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2019-07-22

Como Citar

ALONSO ÁLVAREZ, R. Los dos Alfonsos: reyes, obispos y el arca santa de las reliquias de San Salvador de Oviedo. História Revista, Goiânia, v. 24, n. 1, p. 39–58, 2019. DOI: 10.5216/hr.v24i1.57724. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/57724. Acesso em: 7 out. 2022.