As disputas eclesiásticas entre a Ordem do Templo e o Cabido da Sé de Coimbra (1290-1308).

Poder religioso e Poder eclesiástico nas comendas de Ega, Soure, Redinha e Pombal.

Autores

  • Fabiano Fernandes UNIFESP

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v24i1.56772

Resumo

As comendas de Ega, Soure, Redinha e Pombal ocupavam, na estrutura da Ordem do Templo, um lugar economicamente e politicamente relevante. Frequentemente, as cobranças eclesiásticas e senhoriais apareciam imersas na questão do sagrado. Logo, a superposição de jurisdições e de níveis de percepção, nos conflitos eclesiásticos, era regra. Na década de 1290, os comendadores templários buscavam afirmar a autonomia de sua própria religiosidade diante de uma maquinaria, cada vez mais, complexa e pesada da Igreja hierárquica. As cobranças, que na contemporaneidade julgaríamos imersas na mera e na pura ambição, refletiam, sobretudo, a luta pela honra e pelo prestígio de homens que se julgavam íntimos do sagrado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2019-07-22

Como Citar

FERNANDES, F. As disputas eclesiásticas entre a Ordem do Templo e o Cabido da Sé de Coimbra (1290-1308).: Poder religioso e Poder eclesiástico nas comendas de Ega, Soure, Redinha e Pombal. História Revista, Goiânia, v. 24, n. 1, p. 59–82, 2019. DOI: 10.5216/hr.v24i1.56772. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/56772. Acesso em: 30 jun. 2022.