FERNAND BRAUDEL. E O ESTUDO DAS CIDADES: SUAS ROTAS E HIERARQUIAS NAS ORIGENS DO CAPITALISMO MODERNO

Autores

  • Marisa Midori Deaecto Doutora em História Econômica - FFLCH-USP.

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v13i1.5415

Resumo

O presente artigo propõe um exercício de leitura analítica centrado na trilogia Civilização material, economia e capitalismo, de Fernand Braudel. Nossa atenção se volta para o lugar ocupado pelas cidades nos três níveis de análise desenvolvidos na obra: a) nas estruturas do quotidiano, em que a cidade aparece como espaço privilegiado para uma visão dos modos de vida das sociedades do Antigo Regime, em uma perspectiva comparativa; b) na economia de mercado, em que o meio urbano ora aparece como fator de ligação, ora como infra-estrutura para o desenvolvimento da vida material; c) e nas altas rodas das transações financeiras, quando a cidade surge como superestrutura para o desenvolvimento do sistema capitalista. A análise se pauta em dois eixos, em termos braudelianos, em duas constantes de longa duração: as rotas e as hierarquias.

 

PALAVRAS-CHAVE: Fernand Braudel, capitalismo, cidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2009-01-16

Como Citar

DEAECTO, M. M. FERNAND BRAUDEL. E O ESTUDO DAS CIDADES: SUAS ROTAS E HIERARQUIAS NAS ORIGENS DO CAPITALISMO MODERNO. História Revista, Goiânia, v. 13, n. 1, 2009. DOI: 10.5216/hr.v13i1.5415. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/5415. Acesso em: 18 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê