As Propostas de Restauração de Florestas Nativas no Brasil (1912-1944)

Autores

  • Luiz Antonio Norder Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v22i2.43091

Palavras-chave:

História Ambiental, Restauração Florestal, Pensamento Social.

Resumo

Este texto analisa a formulação de conceitos e propostas de restauração de florestas nativas no Brasil, mais especificamente no Rio de Janeiro e em São Paulo, entre 1912 e 1944. Nota-se que as discussões sobre a restauração de florestas nativas estavam associadas aos limites da silvicultura de uma forma geral, à prioridade até então atribuída por diversos intérpretes à criação de reservas florestais e, na década de 1940, à crítica ao lançamento de campanhas governamentais para a promoção do reflorestamento através do plantio de eucalipto e pinus. A Sociedade Amigos da Flora Brasílica divulgou em 1944 um documento que pode ser interpretado como um marco na construção histórica do conceito no Brasil, propondo uma revisão do Código Florestal de 1934, uma análise crítica da noção de reflorestamento e a adoção de diversas medidas sistemáticas voltadas para a restauração de florestas nativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Antonio Norder, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Professor do Departamento de Desenvolvimento Rural da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), doutor em Ciências Sociais pela Universidade de Wageningen (Holanda).

Downloads

Publicado

2017-12-24

Como Citar

NORDER, L. A. As Propostas de Restauração de Florestas Nativas no Brasil (1912-1944). História Revista, Goiânia, v. 22, n. 2, p. 121–143, 2017. DOI: 10.5216/hr.v22i2.43091. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/43091. Acesso em: 30 jun. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: "História, cultura e natureza"