Na confraria e na Câmara: a correspondência entre a Irmandade do Santíssimo do Pilar do Ouro Preto e a Câmara de Vila Rica.

Autores

  • Monalisa Pavonne Oliveira Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v21i1.36903

Palavras-chave:

Irmandade do Santíssimo Sacramento, Minas Gerais, Câmara Municipal

Resumo

Neste artigo pretendemos analisar a relação estabelecida entre a Irmandade do Santíssimo Sacramento da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Pilar do Ouro Preto com a Câmara Municipal de Vila Rica no que concerne aos auxílios prestados por parte da Câmara à irmandade, bem como o trânsito dos membros entre as duas instituições. Buscamos, assim, apresentar a articulação entre instituições que representavam diferentes instâncias, de certa forma, complementares para o período colonial, a política e a religiosa. Pois, a irmandade do Santíssimo era sediada na principal matriz da Capitania mineira, em que eram celebrados os principais eventos religiosos e políticos, e por isso, cabia à Câmara em grande parte das vezes financiá-los, como no caso da procissão de Corpus Christi. Além disso, verificamos que uma parcela considerável dos membros da confraria foram também camaristas. Desse modo, pretendemos compreender como se dava a articulação entre essas duas instituições no cenário mineiro setecentista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monalisa Pavonne Oliveira, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutoranda em História na Universidade Federal de Juiz de Fora (bolsista CAPES-REUNI), em período de doutorado sanduíche na Universidade de Lisboa (PDSE). Mestre em História pela Universidade Federal de Ouro Preto (2010). Bacharel e licenciada em História pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2005).

Downloads

Publicado

2016-09-21

Como Citar

OLIVEIRA, M. P. Na confraria e na Câmara: a correspondência entre a Irmandade do Santíssimo do Pilar do Ouro Preto e a Câmara de Vila Rica. História Revista, Goiânia, v. 21, n. 1, p. 26–46, 2016. DOI: 10.5216/hr.v21i1.36903. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/36903. Acesso em: 29 jun. 2022.