Boticas jesuítas: apontamentos sobre a produção de medicamentos e a utilização de recursos naturais no Brasil colonial

Autores

  • Viviane Machado Caminha São Bento Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Nadja Paraense Santos Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v20i3.35444

Palavras-chave:

Boticas jesuítas, medicina, América portuguesa

Resumo

Historicizar as diversas práticas médicas e doenças ao longo na trajetória das sociedades humanas requer, para o caso da Época Moderna, evocar a atuação dos jesuítas no que toca ao desenvolvimento dos serviços de saúde. Presentes na América portuguesa desde 1549, os inacianos não se restringiram à prática missionária ou educacional. Em inúmeras situações estabeleceram relações profundas com a população nativa e o conhecimento sobre o mundo natural, aplicando-o no receituário de medicamentos desenvolvidos em suas boticas. A partir disso, nosso objetivo é refletir sobre sua contribuição no desenvolvimento de conhecimentos e processos de cura, enfatizando seu desempenho como fundamental para o viver na colônia.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Viviane Machado Caminha São Bento, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em História das Ciências, das Técnicas e Epistemologia (HCTE) na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Nadja Paraense Santos, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Instituto de Química - Programa de Pós Graduação em História das Ciências das Técnicas e Epistemologia

Downloads

Publicado

2016-01-14

Como Citar

CAMINHA SÃO BENTO, V. M.; SANTOS, N. P. Boticas jesuítas: apontamentos sobre a produção de medicamentos e a utilização de recursos naturais no Brasil colonial. História Revista, Goiânia, v. 20, n. 3, p. 4–22, 2016. DOI: 10.5216/hr.v20i3.35444. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/35444. Acesso em: 18 ago. 2022.