FEMINISMO E RESISTÊNCIA: 1975 – O CENTRO DA MULHER BRASILEIRA E A REVISTA VEJA

Autores

  • Ana Maria Marques Universidade Federal de Mato Grosso Departamento de História Programa de Pós-Graduação em História
  • Andreia Marcia Zattoni Universidade Federal de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v19i2.31223

Palavras-chave:

Feminismo, Centro da Mulher Brasileira, Revista Veja

Resumo

O presente artigo pretende expor os debates presentes inicialmente no Centro da Mulher Brasileira (CMB), fundado em 1975, para mostrar as tendências do feminismo ali retratadas e analisar como o feminismo esteve presente na revista de informação semanal Veja, durante o ano de 1975, fazendo um contraponto com as discussões presentes no CMB na época. Entendemos que as tendências expostas no CMB foram influenciadas pelo momento histórico brasileiro e mundial, seja pelos debates feministas que aconteciam no exterior e que foram introduzidos no movimento, principalmente por mulheres que retornaram do exílio, ou pela militância de sócias que participavam da resistência à ditadura militar. A revista Veja expõe valores predominantes de uma época, todavia apresenta referências tímidas e por vezes preconceituosas sobre o feminismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Maria Marques, Universidade Federal de Mato Grosso Departamento de História Programa de Pós-Graduação em História

Graduada, Mestre e Doutora em História pela Universidade Federal de Santa Catarina.

Professora do Departamento de História e do Programa de Pós graduação em História da Universidade Federal de Mato Grosso.

Andreia Marcia Zattoni, Universidade Federal de Mato Grosso

Mestre em Filosofia pela Universidade Federal do Paraná. Procuradora educacional institucional na UFMT

Downloads

Publicado

2014-12-18

Como Citar

MARQUES, A. M.; ZATTONI, A. M. FEMINISMO E RESISTÊNCIA: 1975 – O CENTRO DA MULHER BRASILEIRA E A REVISTA VEJA. História Revista, Goiânia, v. 19, n. 2, p. 55–76, 2014. DOI: 10.5216/hr.v19i2.31223. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/31223. Acesso em: 9 ago. 2022.