SABERES E SABEDORIA: A POTENCIALIDADE DAS CIRCUNSTÂNCIAS NUM MANUAL DE EDUCAÇÃO DO SÉCULO XII - doi: 10.5216/hr.v18i1.29817

Autores

  • Armando Martins

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v18i1.29817

Palavras-chave:

Hugo de S. Vitor, ciência, disciplina, arte de ler, arte de viver.

Resumo

Várias obras do mestre parisiense, Hugo de S. Vítor (1096-1141), cónego regrante daquela abadia, eram conhecidas e estudadas nos mosteiros portugueses de S. Vicente de Fora de Lisboa e Santa Cruz de Coimbra, desde o século XIII. Assim, o breve tratado De Institutione Novitiorum, era destinado a formar os futuros regrantes nas tradições e costumes da Ordem de S. Agostinho. Não se trata de um mero texto espiritual, mas é também uma espécie de segunda aba de um díptico do Didascalicon, obra anterior. Pequeno manual de boas maneiras ou «arte de viver», tinha preocupações gerais de humanismo antropológico e cívico, regras de boa educação, entendidas como base do estado de perfeição da verdadeira vida religiosa cristã. Mas há que atender sempre às circunstâncias em que o processo decorre. Estas ideias, nascidas em França e transplantadas para o Portugal medieval continuaram a servir de guias de formação e chegaram, mais tarde, plasmadas na mentalidade dos regrantes no Brasil, como D. Thomaz da Encarnação, bispo de Olinda-Recife (1774-1784), homem culto e reformador da sua diocese.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2014-05-12

Como Citar

MARTINS, A. SABERES E SABEDORIA: A POTENCIALIDADE DAS CIRCUNSTÂNCIAS NUM MANUAL DE EDUCAÇÃO DO SÉCULO XII - doi: 10.5216/hr.v18i1.29817. História Revista, Goiânia, v. 18, n. 1, 2014. DOI: 10.5216/hr.v18i1.29817. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/29817. Acesso em: 30 jun. 2022.