Aqui se Abre hum Largo Theatro ao Engenho do Secretario Principiante”: a esc rita de ca rtas segunto francisc o josé Freire (Portugal -Séc. XVII)

Autores

  • Adriana Angelita da Conceição FAPESP/SP

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v15i1.10817

Resumo

Da antiguidade ao século XIX, a prática epistolar foi a responsável pela
comunicação à distância. Entretanto, embora única e necessária, a escrita de cartas
não era espontânea, pois respeitava normas, ditava regras e abria espaço para
a criatividade através de uma literatura de orientação à escrita de cartas. Nesse
contexto, apresentamos um breve estudo de um compêndio escrito por Francisco
José Freire, declarado pelos estudiosos da epistolografia como o primeiro teórico
epistolar setecentista português. Em 1745, publicou a obra “O Secretário Portuguez
Compendiosamente Instruído no modo de Escrever Cartas” – reeditada inúmeras
vezes. Assim, através de um estudo pelas perspectivas da história cultural e social,
analisou-se o compêndio pelo viés da cultura escrita.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Angelita da Conceição, FAPESP/SP


Downloads

Publicado

2010-08-10

Como Citar

CONCEIÇÃO, A. A. da. Aqui se Abre hum Largo Theatro ao Engenho do Secretario Principiante”: a esc rita de ca rtas segunto francisc o josé Freire (Portugal -Séc. XVII). História Revista, Goiânia, v. 15, n. 1, 2010. DOI: 10.5216/hr.v15i1.10817. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/10817. Acesso em: 13 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê