NORMATIZAÇÃO DO SANTUÁRIO DO DIVINO PAI ETERNO

Autores

  • Maria Socorro de Deus Professora do Departamento de História da UEG, na unidade universitária de Itapuranga.

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v6i2.10537

Resumo

No final do século XIX, a Igreja Católica no Brasil desenvolveu uma política de romanização que interferiu nas práticas de romarias e na religiosidade popular. Em Goiás, houve embates entre o bispo D. Eduardo e a romaria do Barro Preto, hoje Trindade.

Palavras-chave: Romanização, Barro Preto (GO), Igreja, D. Eduardo, romaria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2010-07-21

Como Citar

DEUS, M. S. de. NORMATIZAÇÃO DO SANTUÁRIO DO DIVINO PAI ETERNO. História Revista, Goiânia, v. 6, n. 2, 2010. DOI: 10.5216/hr.v6i2.10537. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/10537. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos