ANCHIETA NO BRASIL: QUE MEMÓRIA?

Autores

  • Maria Ribeiro Aparecida Ribeiro Professora da Universidade de Coimbra.

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v8i1.10442

Resumo

No século XVI, pouco depois da morte de Anchieta, o jesuíta Pero Rodrigues escreveu Vida do Padre José, incorporando testemunhos de "pessoas antigas e graves" não pertencentes à Companhia. A imagem aí denunciada foi-se repetindo, refletindo ou refazendo em outros textos - todos biográficos - que os jesuítas publicaram na Europa durante o século XVI, sendo também incorporada à literatura brasileira em que até hoje mostra vitalidade. São os contornos assumidos pelo mito - Orfeu, taumaturgo, harmosta, apóstolo, santo, poeta, bandeirante, fundador, ambíguo, pérfido - o objeto do presente estudo.

Palavras-chave: José de Anchieta, memória, imagologia, literatura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2010-07-21

Como Citar

RIBEIRO, M. R. A. ANCHIETA NO BRASIL: QUE MEMÓRIA?. História Revista, Goiânia, v. 8, n. 1, 2010. DOI: 10.5216/hr.v8i1.10442. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/10442. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Dossiê