Ciúmes, raiva e feitiçaria

construção do parentesco tukano no baixo Uaupés

Autores

  • Raphael Rodrigues Pesquisador independente

Resumo

O artigo se debruca sobre as formas específicas de construção de socialidades nas quais elementos cosmopolíticos operam como reguladores fundamentais entre subgrupos tukano no baixo rio Uaupes (Terra Indigena Alto Rio Negro). Propõe-se uma análise do esforço para a construção do parentesco em que fenômenos como dispersões generalizadas, fugas e transformações socioespaciais face ao contato com os patrões, assim como os perigos em crescer demasiadamente e acumular prestígio e poder e a relação entre ciúmes, raiva e feitiçaria abundam nos relatos dos interlocutores. Espera-se contribuir com as discussões acerca do político entre os povos indígenas do noroeste amazônico a partir de relatos sobre Ananás, uma comunidade marcada por ciclos de florescimento e decadência.

Referências

ANDRELLO, Geraldo. Cidade do índio: transformações e cotidiano em Iauaretê. São Paulo/Rio de Janeiro: Editora Unesp/ISA/NUTI, 2006.

ANDRELLO, Geraldo. Nomes, posições e (contra) Hierarquia: coletivos em transformação no Alto Rio Negro. Ilha, v.18, n. 2, p. 57-97, 2016.

BARRETO, João Paulo L. Wai-Mahsã: Peixes e humanos: um ensaio de Antropologia Indígena. Dissertação (Antropologia Social). Manaus: Universidade Federal do Amazonas, 2013.

BATESON, Gregory. Naven: um exame dos problemas sugeridos por um retrato compósito da cultura de uma tribo da Nova Guiné, desenhado a partir de três perspectivas. Trad. Magda Lopes. São Paulo: EDUSP, 2008.

CAYÓN, Luis. Lugares sagrados y caminos de curación. In: Rotas de criação e transformação: narrativas de origem dos povos indígenas do rio Negro. São Gabriel da Cachoeira: FOIRN, São Paulo: ISA, 2012.

CHERNELA, Janet. The Wanano Indians of the Brazilian Amazon: a sense of space. Austin: University of Texas Press, 1993.

CLASTRES, Pierre. De quoi rient les Indiens? Terrain [En ligne], v. 61, 1967.

COUDREAU, Henry. La France Équinoxiale. Voyage à travers les Guyanes et l’Amazonie. Paris: Challamel, 1887/1889. v. 2.

EVANS-PRITCHARD, Edward. Bruxaria, oráculos e magia entre os Azande. Trad. Eduardo Viveiros de Castro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 2005.

GOLDMAN, Irving. The Cubeo: Indians of Northwest Amazon. Urbana: University of Illinois Press, [1963] 1979.

HERZFELD, Michael. Prática teórica da cultura na sociedade. Trad. Noéli Correia de Melo Sobrinho. Petrópolis: Vozes [1963]

(Coleção Antropologia),

HUGH-JONES, Christine. From the Milk River: spatial and temporal processes in the Northwest Amazonia. Cambridge: Cambridge University Press, 1979.

HUGH-JONES, Stephen. Shamans, prophets, priests and pastors. In: THOMAS, N. ; HUMPHREY, C. (eds.). Shamanism, history, and the state. Ann Arbor: University of Michigan Press, 1996.

HUGH-JONES, Stephen. Bride-service and the absent gift. JRAI, v. 19, n. 2. 2013.

MENEZES, M.; RODRIGUES, R. Reflexões e experiências de um estudante-liderança: sobre algumas políticas educacionais indígenas no Alto Rio Negro. In: Políticas culturais e povos indígenas. CARNEIRO DA CUNHA, M.; CESARINO, P. (orgs). São Paulo: Editora Unesp, 2014.

NIMUENDAJU, Curt U. Reconhecimento dos rios Içana, Ayari e Uaupés. In: MOREIRA NETO, C. de Araújo (org.). Curt Nimuendaju. Textos indigenistas. São Paulo: Edições Loyola, [1927] 1950.

OLIVEIRA, Melissa S. Sobre casas, pessoas e conhecimentos: uma etnografia entre os Tukano Hausirõ e Ñahuri porã, do médio rio Tiquié, Noroeste Amazônico. Tese (Doutorado em Antropologia Social). Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2016.

OVERING, Joana. Estruturas elementares de reciprocidade: notas comparativas sobre a Guiana, o Noroeste Amazônico e o Brasil Central. São Paulo: Revista Cadernos de Campo, v.10, n. 10, 2002.

PERRONE-MOISÉS, Beatriz. Festa e guerra. Tese (livre-docência). São Paulo: Universidade de São Paulo, 2015.

RAMIREZ, Henri. A fala tukano dos Ye’pâ-Masa. Manaus: Inspetoria Salesiana da Amazônia Cedem. 3T. Manaus: Inspetoria Salesiana da Amazônia – CEDEM, 1997. (Gramática, Dicionário e Método de Aprendizagem).

RODRIGUES, Raphael. Relatos, trajetórias e imagens: uma etnografia em construção sobre os Ye pâ-masa do baixo Uaupés (alto rio Negro). Dissertação (Mestrado em Antropologia Social). São Carlos: Universidade Federal de São Carlos, 2012.

RODRIGUES, Raphael. Descendo o rio: memórias, trajetórias e nomes no baixo Uaupés (AM). Tese (Doutorado em Antropologia Social). São Carlos: Universidade Federal de São Carlos, 2019.

RODRIGUES, Raphael. Viagens de constituição e (des) constituição: o corpo da pessoa tukano no baixo Uaupés (noroeste amazônico). In: Candice Vidal e Souza; André Dumans Guedes. (Org.). Antropologia das mobilidades.Brasília: Associação Brasileira de Antropologia, v. 1, p. 65-91, 2021.

VANZOLINI, Marina. Ser e não ser gente: dinâmicas da feitiçaria no alto Xingu. Maná, v.19 n. 2), p. 341-370, 2013.

WALLACE, Alfred R. Viagens pelo Amazonas e rio Negro. Notas de Basílio de Magalhães. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, (1823-1913) 2004.

WRIGHT, Robin. O tempo de Sophie: história e cosmologia da conversão baniwa. In: R. Wright (org.). Transformando os Deuses. Os múltiplos sentidos da conversão entre os povos indígena no

Brasil. Campinas: Editora da UNICAMP, 1999.

Downloads

Publicado

2022-01-24 — Atualizado em 2022-03-28

Versões

Como Citar

RODRIGUES, R. Ciúmes, raiva e feitiçaria: construção do parentesco tukano no baixo Uaupés. Hawò, Goiânia, v. 2, 2022. Disponível em: https://revistas.ufg.br/hawo/article/view/70406. Acesso em: 3 jul. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Gentes Ameríndias e suas políticas