Violência autoprovocada em adultos no Espírito Santo entre 2011-2018: análises em relação aos casos notificados

Autores

  • Ranielle de Paula Silva FAESA – Centro Universitário (FAESA), Vitória, Espírito Santo, Brasil. E-mail: raniellepsilva@gmail.com. https://orcid.org/0000-0002-0745-0501
  • Samuel Brambilla Roncete FAESA – Centro Universitário (FAESA), Vitória, Espírito Santo, Brasil. E-mail: samuel.brambilla@aluno.faesa.br. https://orcid.org/0000-0002-6019-8034
  • Talita Lucas de Oliveira Gomes FAESA – Centro Universitário (FAESA), Vitória, Espírito Santo, Brasil. E-mail: talita.lucas@aluno.faesa.br.
  • Karina Fardin Fiorotti Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Vitória, Espírito Santo, Brasil. E-mail: karinafiorotti@gmail.com. https://orcid.org/0000-0001-8461-2984
  • Franciéle Marabotti Costa Leite Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Vitória, Espírito Santo, Brasil. E-mail: francielemarabotti@gmail.com. https://orcid.org/0000-0002-6171-6972

DOI:

https://doi.org/10.5216/ree.v25.73707

Palavras-chave:

Violência, Comportamento Autodestrutivo, Sistemas de Informação em Saúde, Epidemiologia

Resumo

Objetivo: identificar a proporção de violência autoprovocada em adultos em relação aos casos notificados no Espírito Santo no período de 2011-2018 e sua associação com características individuais e do evento. Métodos: estudo transversal, realizado com dados dos casos notificados de violência do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) do Espírito Santo, entre 2011 e 2018. A população de interesse foi de indivíduos na faixa etária de 20 a 59 anos. O desfecho foi violência autoprovocada. Características individuais e do evento foram as variáveis independentes. Realizou-se análise bivariada e multivariada apresentadas em razão de prevalência bruta e ajustada. Resultados: a proporção de violência autoprovocada notificada foi de 29,6% no período estudado. Considerando o montante de casos de violência notificados, foram verificadas associações de violência autoprovocada com sexo feminino, ter idade 20 a 29 anos, apresentar maior escolaridade, deficiência ou transtorno mental, residência como local de ocorrência, suspeita de uso de álcool e ausência de história de ocorrência anterior. Conclusão: as variáveis relacionadas ao indivíduo e ao ambiente da ocorrência estão associadas a violência autoprovocada, indicando um perfil específico para estes casos de violência em relação ao conjunto das notificações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Krug EG, Dahlberg LL, Mercy JA, Zwi AB, Lozano R, organizadores. World report on violence and health. Geneva: World Health Organization; 2002.

Institute for Health Metrics and Evaluation. GBD Results Tool | GHDx. Global Health Data Exchange [Internet]. 2019 [cited 2022 Aug 25]. Available from: https://www.thelancet.com/lancet/visualisations/gbd-compare

World Health Organization (WHO). Preventing suicide: a global imperative [Internet]. Geneva: World Health Organization; 2014 Aug 17 [cited 2022 Aug 25]. Available from: https://www.who.int/publications/i/item/9789241564779

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Mortalidade por suicídio e notificações de lesões autoprovocadas no Brasil [Internet]. Brasília (BR): Ministério da Saúde; 2021 Sept [cited 2022 Aug 25]. Available from: https://www.gov.br/saude/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/boletins/epidemiologicos/edicoes/2021/boletim_epidemiologico_svs_33_final.pdf

Ministério da Saúde. Impacto da violência na saúde dos brasileiros [Internet]. 1 ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2005 [cited 2022 Aug 25]. Available from: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/impacto_violencia.pdf

Pinheiro TP, Warmling D, Coelho EBS. Caracterização das tentativas de suicídio e automutilações por adolescentes e adultos notificados em Santa Catarina, 2014-2018. Epidemiol. Serv. Saúde. 2021 Dec 03;30(4):e2021337. https://doi.org/10.1590/S1679-49742021000400026

Fattah N, Lima MS. Perfil epidemiológico das notificações de violência autoprovocada de 2010 a 2019 em um estado do sul do Brasil. SMAD, Rev Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. 2020 Aug 31;16(4):65-74. https://doi.org/10.11606/issn.1806-6976.smad.2020.166310

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Viva: instrutivo notificação de violência interpessoal e autoprovocada [Internet]. 2nd ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2016 [cited 2022 Aug 25]. Available from: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/viva_instrutivo_violencia_interpessoal_autoprovocada_2ed.pdf

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Notificação de violências interpessoais e autoprovocadas [Internet]. 1st ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2017 [cited 2022 Aug 25]. Available from: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/notificacao_violencias_interpessoais_autoprovocadas.pdf

Thomazine AM, Oliveira BRG, Vieira CS. Atenção a crianças e adolescentes vítimas de violência intrafamiliar por enfermeiros em serviços de pronto-atendimento. Rev. Eletr. Enferm. 2009 Dec 31;11(4):830-40. https://doi.org/10.5216/ree.v11i4.33237

Bahia CA, Avanci JQ, Pinto LW, Minayo MCS. Lesão autoprovocada em todos os ciclos da vida: perfil das vítimas em serviços de urgência e emergência de capitais do Brasil. Ciên saúde colet. 2017 Sept;22(9):2841-50. https://doi.org/10.1590/1413-81232017229.12242017

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010: características da população e dos domicílios [Internet]. Rio de Janeiro (BR): Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2010 [cited 2022 Aug 25]. Available from: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/93/cd_2010_caracteristicas_populacao_domicilios.pdf

Ribeiro JM, Moreira MR. Uma abordagem sobre o suicídio de adolescentes e jovens no Brasil. Ciên saúde colet. 2018 Sept;23(9):2821-34. https://doi.org/10.1590/1413-81232018239.17192018

Marcolan JF. For a public policy of surveillance of suicidal behavior. Rev. Bras. Enferm. 2018;71(suppl 5):2343-7. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0256

Bommersbach TJ, Rosenheck RA, Petrakis IL, Rhee TG. Why are women more likely to attempt suicide than men? Analysis of lifetime suicide attempts among US adults in a nationally representative sample. Journal of Affective Disorders. 2022 Aug 15;311:157-64. https://doi.org/10.1016/j.jad.2022.05.096

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Departamento de Análise da Situação em Saúde. Saúde Brasil 2014: uma análise da situação de saúde e das causas externas [Internet]. Brasília (BR): Ministério da Saúde; 2015[cited 2022 Aug 25]. Available from: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_brasil_2014_analise_situacao.pdf

Brixner B, Koch CL, Marth MP, Freitas AP, Garske CCD, Giehl VM, et al. Formas utilizadas para tentativa de suicídio e características sociodemográficas dos pacientes atendidos no serviço de emergência de um hospital de ensino. Sci Med. 2016 Nov 24;26(4):ID24467. https://doi.org/10.15448/1980-6108.2016.4.24467

Soares RJO, Nascimento FPB. Suicídio e Tentativa de Suicídio: Contribuições da Enfermagem Brasileira. J Health Sci [Internet]. 2017 May 22 [cited 2023 Jun 13];1(19):19-24. Available from: https://journalhealthscience.pgsskroton.com.br/article/view/4030

Arruda VL, Freitas BHBM, Marcon SR, Fernandes FY, Lima NVP, Bortolini J. Suicídio em adultos jovens brasileiros: série temporal de 1997 a 2019. Ciên saúde colet. 2021 July;26(7):2699-708. https://doi.org/10.1590/1413-81232021267.08502021

Fonseca-Machado MO, Alves LC, Haas VJ, Monteiro JCS, Gomez-Sponholz F. Sob a sombra da maternidade: gravidez, ideação suicida e violência por parceiro íntimo. Rev Panam Salud Publica [Internet]. 2015 [cited 2022 Aug 25];37(4/5):258-64. Available from: https://iris.paho.org/handle/10665.2/8376

Weber I, Gianolla C, Sotero L. Suicídio e violência estrutural. Revisão sistemática de uma correlação marcada pelo colonialismo. Soc. estado [Internet]. 2020 Jan-Apr;35(1):189-228. https://doi.org/10.1590/s0102-6992-202035010009

Machado DB, Santos DN. Suicídio no Brasil, de 2000 a 2012. J. bras. psiquiatr. [Internet]. 2015 Jan-Mar;64(1):45-54. https://doi.org/10.1590/0047-2085000000056

Biezus AJ, Salla L, Wendt GW, Vicentini G, Brizola FM, Yamada R, et al. Epidemiological profile of suicide attempts in a municipality in southwest Paraná, from 2017 to 2020. Rev. Assoc. Med. Bras. 2022 Apr;68(4):519-23. https://doi.org/10.1590/1806-9282.20211242

Pereira AS, Willhelm AR, Koller SH, Almeida RMM. Fatores de risco e proteção para tentativa de suicídio na adultez emergente. Ciên saúde colet. 2018;23(11):3767-77. https://doi.org/10.1590/1413-812320182311.29112016

Borges G, Bagge C, Cherpitel CJ, Conner K, Orozco R, Rossow I. A meta-analysis of acute use of alcohol and the risk of suicide attempt. Psychol Med. 2017 Apr;47(5):949-57. https://doi.org/10.1017/S0033291716002841

Sinyor M, Tse R, Pirkis J. Global trends in suicide epidemiology. Curr Opin Psychiatry. 2017;30(1):1-6. https://doi.org/10.1097/yco.0000000000000296

Cully G, Corcoran P, Leahy D, Griffin D, Dillon C, Cassidy E, et al. Method of self-harm and risk of self-harm repetition: findings from a national self-harm registry. Journal of Affective Disorders. 2019 Mar;246:843-50. https://doi.org/10.1016/j.jad.2018.10.372

Publicado

16/06/2023

Como Citar

1.
Silva R de P, Roncete SB, Gomes TL de O, Fiorotti KF, Leite FMC. Violência autoprovocada em adultos no Espírito Santo entre 2011-2018: análises em relação aos casos notificados. Rev. Eletr. Enferm. [Internet]. 16º de junho de 2023 [citado 19º de maio de 2024];25:73707. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/73707

Edição

Seção

Artigo Original