Prevalência e fatores associados à fragilidade em idosos atendidos na Atenção Primária à Saúde

Autores

  • Mércia Beatriz Martins Silva Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais. Belo Horizonte (MG), Brasil. merciabia11@gmail.com https://orcid.org/0000-0001-9845-522X
  • Flávia de Oliveira Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ). São João Del Rei (MG), Brasil. flaviadeoliveira@ufsj.edu.br https://orcid.org/0000-0002-9044-6588
  • Gabriel Dias de Araújo Faculdade de Ciências Odontológicas (FCO). Montes Claros (MG), Brasil. gabriel-dda@hotmail.com https://orcid.org/0000-0003-0525-3085
  • Patrícia de Oliveira Salgado Universidade Federal de Viçosa (UFV). Viçosa (MG), Brasil. patriciasalgado@ufv.br http://orcid.org/0000-0002-0743-0244
  • Maria Fernanda Santos Figueiredo Brito Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). Montes Claros (MG), Brasil. nanda_sanfig@yahoo.com.br https://orcid.org/0000-0001-5395-9491
  • Ricardo Otávio Maia Gusmão Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). Montes Claros (MG), Brasil. ricardo.gusmao@unimontes.br https://orcid.org/0000-0001-9941-1114
  • Diego Dias de Araújo Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). Montes Claros (MG), Brasil. diego.araujo@unimontes.br https://orcid.org/0000-0002-8927-6163

DOI:

https://doi.org/10.5216/ree.v22.62938

Palavras-chave:

Idoso Fragilizado, Saúde do Idoso, Prevalência, Fatores de Risco, Atenção Primária à Saúde

Resumo

Objetivo: identificar a prevalência e os fatores associados à fragilidade em idosos atendidos na atenção primária à saúde. Método: estudo transversal e analítico, realizado entre março de 2018 e abril de 2019, com 184 idosos cadastrados em equipe de Estratégia Saúde da Família de uma cidade do norte de Minas Gerais. Foram coletadas variáveis sociodemográficas e clínicas, sendo a fragilidade identificada pelo Índice de Vulnerabilidade Clínico Funcional-20. Realizou-se estatística descritiva, análise bivariada e multivariada por meio da regressão logística com os respectivos intervalos de confiança de 95% e nível de significância de p?0,05. Resultado: entre os 184 idosos, a prevalência de fragilidade foi de 9,8%. As variáveis associadas ao desfecho foram: escolaridade (analfabeto) (p=0,007) e idade (?80 anos) (p=0,002). Conclusão: o estudo evidencia que a fragilidade é um achado comum entre idosos da atenção primária e medidas de promoção, proteção, prevenção e recuperação da saúde precisam ser implementadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

31-12-2020

Como Citar

1.
Silva MBM, Oliveira F de, Araújo GD de, Salgado P de O, Brito MFSF, Gusmão ROM, Araújo DD de. Prevalência e fatores associados à fragilidade em idosos atendidos na Atenção Primária à Saúde. Rev. Eletr. Enferm. [Internet]. 31º de dezembro de 2020 [citado 26º de janeiro de 2022];22. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/62938

Edição

Seção

Artigo Original