Mortalidade infantil entre indígenas no estado do Pará

Autores

  • Monique Lameira Araújo Lima Universidade do Estado do Pará
  • Lucas Moraes Rêgo Universidade do Estado do Pará
  • Perla Katheleen Valente Corrêa Universidade do Estado do Pará
  • Lidiane de Nazaré Mota Trindade Universidade do Estado do Pará
  • Ivaneide Leal Ataíde Rodrigues Universidade do Estado do Pará
  • Laura Maria Vidal Nogueira Universidade do Estado do Pará

DOI:

https://doi.org/10.5216/ree.v22.61719

Palavras-chave:

Mortalidade Infantil, População Indígena, Epidemiologia, Saúde Pública

Resumo

Objetivo: Analisar o perfil de mortalidade infantil indígena. Método: Estudo epidemiológico, transversal realizado com 254 óbitos em crianças indígenas menores de um ano, notificadas ao Sistema de Informação da Atenção à Saúde Indígena, no estado do Pará, no período de 2013 a 2018. Resultados: Identificou-se proporção maior de óbitos em crianças do sexo masculino (53,9%; n=137), nas etnias Kaiapó (38,2%; n=97), Munduruku (27,6%; n=70) e Xicrim (13,8%; n=35). Os óbitos ocorreram nos hospitais (53,9%; n=137), e nos domicílios (24%; n=61), e as principais causas foram: as afecções perinatais (27,2%; n=69); as doenças do aparelho respiratório (18,9%; n=48), doenças infecciosas e parasitárias (15,7%; n=40). Conclusão: A mortalidade infantil indígena é mais elevada em algumas etnias, o que favorece ações de enfrentamento naquelas mais acometidas. É necessário a valorização da cultura indígena e o reconhecimento dos problemas socioeconômicos a serem contemplados num plano de ação para redução desse indicador.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

01-12-2020

Como Citar

Lima, M. L. A., Rêgo, L. M., Corrêa, P. K. V., Trindade, L. de N. M., Rodrigues, I. L. A., & Nogueira, L. M. V. (2020). Mortalidade infantil entre indígenas no estado do Pará. Revista Eletrônica De Enfermagem, 22. https://doi.org/10.5216/ree.v22.61719

Edição

Seção

Artigo Original