Relações interpessoais de equipes multiprofissionais na atenção domiciliar: revisão integrativa

Autores

  • Aline Loiola Moura Bianconi Universidade Estadual de Londrina (UEL). Londrina (PR), Brasil. aline.loiola@yahoo.com.br https://orcid.org/0000-0002-1470-2164
  • Desiree Zago Sanchis Universidade Estadual de Londrina (UEL). Londrina (PR), Brasil. desireezago@gmail.com https://orcid.org/0000-0001-8066-1113
  • Patrícia Aroni Universidade Estadual de Londrina (UEL). Londrina (PR), Brasil. aronipatricia@gmail.com https://orcid.org/0000-0001-5092-2714
  • Maynara Fernanda Carvalho Barreto Universidade Estadual de Londrina (UEL). Londrina (PR), Brasil. maynara_barreto@hotmail.com https://orcid.org/0000-0002-3562-8477
  • Mariana Ângela Rossaneis Universidade Estadual de Londrina (UEL). Londrina (PR), Brasil. marianarossaneis@gmail.com
  • Maria do Carmo Fernandez Lourenço Haddad Universidade Estadual de Londrina (UEL). Londrina (PR), Brasil. carmohaddad@gmail.com https://orcid.org/0000-0001-7564-8563

DOI:

https://doi.org/10.5216/ree.v22.59594

Palavras-chave:

Assistência Domiciliar, Equipe de Assistência ao Paciente, Relações Interpessoais, Enfermagem

Resumo

Objetivo: Analisar a produção científica sobre as relações interpessoais de equipes multiprofissionais na atenção domiciliar. Método: Revisão integrativa em bases de dados da Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde; Medical Literature Analysis and Retrieval Sistem via PubMed, Cumulative Index to Nursing and Allied Health Literature; Web of Science e Scopus sem delimitar período. Resultados: Do total de 1.203 artigos, 11 foram selecionados, estando três não disponíveis e oito lidos na íntegra. Desses, três não responderam à pergunta de pesquisa, e cinco constituíram a amostra. Dos estudos analisados, quatro foram qualitativos e um quantitativo. As investigações incluídas foram conduzidas predominantemente por equipes que atuam em serviços que atendem pacientes domiciliados. Conclusão: As evidências mostraram que relações interpessoais e comunicação eficaz entre equipes que atuam em serviços de assistência domiciliar são imprescindíveis para o cuidado qualificado, porém fazem-se necessárias pesquisas de intervenção que estimulem as equipes nas habilidades relacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria no 825, de 25 de abril de 2016. Redefine a Atenção Domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e atualiza as equipes habilitadas. Brasília: MS; 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Organização Pan- Americana da Saúde (OPAS). Atenção domiciliar no SUS: resultados do laboratório de inovação em atenção domiciliar. Brasília (DF): Ministério da Saúde [Internet]. 2014 [access at: Aug. 10, 2019]. Available at: https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/7677/9788533422049_por.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Braga PP, Sena RR, Seixas CT, Castro EAB, Andrade MA, Silva YC. Oferta e demanda na atenção domiciliar em saúde. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2016 [access at: Aug. 10, 2019];21(3):903-12. Available at: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232016000300903&script=sci_abstract&tlng=pt.

Savassi LCM, Melo CGL, Gonçalves DA, Oliveira DOPS, Lopes HR, Fregonezi RLH, et al. Proposta de residência em Atenção Domiciliar como área de atuação. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 2018 [access at: Sep. 12, 2019];13(40):1-13. Available at: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/1599.

González AD, Almeida MJ. Integralidade da saúde – norteando mudanças na graduação dos novos profissionais. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2010 [access at: Sep. 12, 2019];15(3):757-62. Available at: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232010000300018&script=sci_arttext.

Lopes JMC, Sousa AI. Competências profissionais na assistência domiciliar. A gestão do cuidado na Atenção Domiciliar Curso de Especialização em Atenção Domiciliar: Módulo 3. UFSC. Brasília: Ministério da Saúde; 2015. p.21-30.

Formozo GA, Oliveira DC, Costa TL, Gomes AMT. As relações interpessoais no cuidado em saúde: uma aproximação ao problema. Rev Enferm UERJ [Internet]. 2012 [access at: Aug. 20, 2019];20(1):124-7. Available at: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/bde-22697.

Abreu TFK, Amendola F, Trovo MM. Relational technologies as instruments of care in the Family Health Strategy. Rev Bras Enferm [Internet]. 2017 [access at: Apr. 07, 2020];70(5):981-87. Available at: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672017000500981&lng=en.

Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo) [Internet]. 2010 [access at: Jun. 24, 2019];8(1):102-6. Available at: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-45082010000100102&lng=en.

Santos CMC, Pimenta CAM, Nobre MRC. The PICO strategy for the research question construction and evidence search. Rev Latino-Am. Enfermagem [Internet]. 2007 [access at: Jun. 20, 2019];15(3):508-11. Available at: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-007000300023&lng=en.

Melnyk BM, Fineout-Overholt E. Making the case for evidence-based practice in nursing & healthcare: a guide to best practice. Philadelphia: Lippincot Williams & Wilkins; 2011.

Pype P, Mertens F, Helewaut F, Krystallidou D. Healthcare teams as complex adaptive systems: understanding team behavior through team members’ perception of interpersonal interaction. BMC Health Serv Res [Internet]. 2018 [access at: Jun. 20, 2019]:570. Available at: https://bmchealthservres.biomedcentral.com/articles/10.1186/s12913-018-3392-3.

Fujita J, Fukui S, Ikezaki S, Otoguro C, Tsujimura M. Analysis of team types based on collaborative relationships among doctors, home-visiting nurses and care managers for effective support of patients in end- of-life home care. Geriatr Gerontol Int [Internet]. 2017 [access at: Aug. 10, 2019]:17(11):1943-50. Available at: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28224693/.

Larsen A, Broberger E, Petersson P. Complex caring needs without simple solutions: the experience of interprofessional collaboration among staff caring for older persons with multimorbidity at home care settings. Scand J Caring Sci [Internet]. 2016 [access at: Aug. 19, 2019]:31(2):342-50. Available at: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27439763/.

Klarare A, Hagelin CL, Fürst CJ, Fossum B. Team interactions in specialized palliative care teams: a qualitative study. J Palliat Med [Internet]. 2013 [access at: Aug. 18, 2019];16(9): 1062-69. Available at: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/24041291/.

Silva KL, Leite JCA, Sena RR, Seixas CT. A internação domiciliar e os desafios das relações interpessoais e interprofissionais. Rev Paul Enferm. 2004;23(1):29-36.

Woodward CA, Abelsona J, Tedforda S, Hutchisona B. What is important to continuity in home care? Perspectives of key stakeholders. Soc Sci Med [Internet] 2004 [access at: Aug. 18, 2019];58(1):177-92. Available at: https://www.researchgate.net/publication/5416563_What_is_important_to_continuity_in_home_care_Perspective_of_key_stakeholders.

Oderich C. Avelino LPRS, Queiroz MSF. Visão sistêmica interdisciplinar em grupo multiprofissional: estudo de caso em Foz do Iguaçu. RECC. 2015;2(2):31-47.

Publicado

01/12/2020

Como Citar

1.
Bianconi ALM, Sanchis DZ, Aroni P, Barreto MFC, Rossaneis M Ângela, Haddad M do CFL. Relações interpessoais de equipes multiprofissionais na atenção domiciliar: revisão integrativa. Rev. Eletr. Enferm. [Internet]. 1º de dezembro de 2020 [citado 3º de março de 2024];22:59594. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/59594

Edição

Seção

Artigo de Revisão