Conhecimento e atitude dos profissionais de enfermagem sobre avaliação e tratamento da dor neonatal

  • Iana Mundim de Oliveira
  • Thaíla Corrêa Castral Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Enfermagem
  • Marcela Maria Faria Peres Cavalcante Pontifícia Universidade Católica de Goiás
  • Julyana Calatayud Carvalho Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Enfermagem
  • Mariana Firmino Daré Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto
  • Ana Karina Marques Salge Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Enfermagem
Palavras-chave: Recém-Nascido, Dor Aguda, Unidades de Terapia Intensiva Neonatal, Enfermagem Neonatal

Resumo

Objetivo do estudo foi verificar o conhecimento e atitude dos profissionais de enfermagem de uma unidade neonatal quanto à avaliação e tratamento da dor aguda em recém-nascidos. Estudo descritivo exploratório realizado com 26 profissionais de enfermagem de uma unidade neonatal no Centro-Oeste, Brasil. A maioria dos profissionais identificou ao menos uma escala de avaliação da dor neonatal (76,9%). As estratégias para alívio da dor selecionadas pelos profissionais foram diminuição de ruído e luminosidade (84,6%), posição canguru (76,9%) e colo (76,9%). Menos da metade (28,0%) dos profissionais afirmou registrar sempre ou frequentemente o escore de dor no plantão, e 64,0% referiu utilizar estratégias de alívio da dor. A maioria dos profissionais demonstrou conhecimento quanto ao manejo da dor, apesar de existirem lacunas. A aplicação das escalas e medidas de alívio da dor mostrou-se inadequada, seja pelo pouco uso, não utilização da melhor evidência disponível ou falta de registro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Iana Mundim de Oliveira
Enfermeira. Goiânia, GO, Brasil. E-mail: ianamundim@hotmail.com.
Thaíla Corrêa Castral, Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Enfermagem
Enfermeira, Doutora em Enfermagem em Saúde Pública. Professora Adjunto da Universidade Federal de Goiás. Goiânia, GO, Brasil. E-mail: thaccastral@gmail.com.
Marcela Maria Faria Peres Cavalcante, Pontifícia Universidade Católica de Goiás
Enfermeira, Doutora em Educação. Docente da Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Goiânia, GO, Brasil. E-mail: marcelamaria.cavalcante@uol.com.br.
Julyana Calatayud Carvalho, Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Enfermagem
Enfermeira. Discente do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, nível Mestrado, da Universidade Federal de Goiás. Goiânia, GO, Brasil. E-mail: julyanacalatayud@hotmail.com.
Mariana Firmino Daré, Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto
Enfermeira. Discente do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem em Saúde Pública da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, SP, Brasil. E-mail: mari_dare@hotmail.com.
Ana Karina Marques Salge, Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Enfermagem
Enfermeira, Doutora em Patologia. Professora Associado da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Goiás. Goiânia, GO, Brasil. E-mail: anasalge@gmail.com.
Publicado
30-06-2016
Como Citar
Oliveira, I. M. de, Castral, T. C., Cavalcante, M. M. F. P., Carvalho, J. C., Daré, M. F., & Salge, A. K. M. (2016). Conhecimento e atitude dos profissionais de enfermagem sobre avaliação e tratamento da dor neonatal. Revista Eletrônica De Enfermagem, 18. https://doi.org/10.5216/ree.v18.36782
Seção
Artigo Original