Avaliação da qualidade de vida e função sexual de mulheres com e sem incontinência urinária

Autores

  • Kelly Faria Universidade Federal do Triângulo Mineiro
  • Leila Aparecida Kauchakje Pedrosa Universidade Federal do Triângulo Mineiro

DOI:

https://doi.org/10.5216/ree.v14i2.12486

Palavras-chave:

Saúde da mulher, Qualidade de vida, Incontinência Urinária, Comportamento Sexual

Resumo

http://dx.doi.org/10.5216/ree.v14i2.12486

A incontinência urinária é a queixa de perda involuntária de urina. Os objetivos do presente estudo foram mensurar e comparar a qualidade de vida e a função sexual de mulheres com e sem incontinência urinária. Foram entrevistadas setenta mulheres, com e sem incontinência urinária. Os dados foram coletados por meio dos seguintes instrumentos: WHOQOL-BREF, KHQ e FSFI. Foram realizadas análises descritivas e teste t Student pareado (p<0,05). A qualidade de vida mensurada pelo WHOQOL–BREF evidenciou que as mulheres incontinentes apresentaram média de escore menor (S=57,14) quando comparadas com as continentes (S=71,42). Na avaliação da função sexual, o grupo GI obteve média total de escore menor (S=17,17) quando comparado com o grupo GC (S=24,20). Concluiu-se que tanto na análise da qualidade de vida quanto na função sexual os menores escores foram encontrados no grupo incontinente, evidenciando assim o impacto negativo da incontinência urinária na vida dessas mulheres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kelly Faria, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Fisioterapeuta, Mestre em Atenção à Saúde. Uberaba, MG, Brasil. E-mail: kelinhacf@bol.com.br.

Leila Aparecida Kauchakje Pedrosa, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Enfermeira, Doutora em Enfermagem. Docente, Programa de Pós-Graduação Stricto sensu em Atenção à Saúde, Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Uberaba, MG, Brasil. E-mail: leila.kauchakje@terra.com.br.

Downloads

Publicado

30/06/2012

Como Citar

1.
Faria K, Pedrosa LAK. Avaliação da qualidade de vida e função sexual de mulheres com e sem incontinência urinária. Rev. Eletr. Enferm. [Internet]. 30º de junho de 2012 [citado 24º de maio de 2022];14(2):366-73. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/12486

Edição

Seção

Artigo Original