Atividade física, alimentação e distanciamento social de pessoas com síndrome de down durante a pandemia da COVID-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/rpp.v25.69540

Palavras-chave:

Distanciamento Físico, Alimentação, Coronavírus, Atividade Física

Resumo

Esta pesquisa tem por objetivo analisar o distanciamento social, o nível de atividade física e a alimentação de pessoas com síndrome de Down, durante a pandemia de COVID-19. Participaram do estudo 24 pessoas por meio de um formulário eletrônico com 45 questões fechadas. Entre os resultados encontrados verificou-se que após uma média de 69,87 dias do início das medidas de afastamento e redução de convívio para controle da pandemia houve diminuição do nível de atividade física e da qualidade da alimentação, bem como o aumento do índice de massa corporal. Verificou-se que as pessoas com síndrome de Down desenvolveram, em distanciamento social, características que podem agravar um possível quadro de COVID-19 e a maioria tem contato com pessoas que não estão reduzindo a interação com outras pessoas. Concluiu-se que ações voltadas para as pessoas com síndrome de Down são urgentes para que essas não fiquem ainda mais expostas às consequências da pandemia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Helena Santana Dalla Déa, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil vanessasantana@ufg.br

Professora adjunta da Faculdade de Educação Física e Dança, e do Mestrado Profissional em Ensino de Educação Básica.

Vicente Paulo Batista Dalla Déa, Colégio Tecnológico do Estado de Goiás, Goiânia, GO, Brasil vicentedalladea@gmail.com

Graduado em Educação Física pela UNESP - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Especialização em Pedagogia do Movimento pela UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas. Mestrado profissional em Ensino na Educação Básica pela Universidade Federal de Goiás - UFG. Atuação profissional em diversas áreas da Educação Física como adaptada, gestão de eventos esportivos e de lazer, voleibol, basquetebol e recreação. Professor da Escola Superior de Educação Física e Fisioterapia do estado de Goiás. 

Edison Duarte, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, São Paulo, Brasil edison03@unicamp.br

Possui graduação em Fisioterapia - P U C Campinas (1976), mestrado- Universidade Estadual de Campinas (1984) e doutorado em Anatomia Humana - Universidade de São Paulo (1988). Atualmente é professor titular no Departamento de Estudos de Atividade Física Adaptada na Fac. Ed. Física (FEF) da Universidade Estadual de Campinas. Na FEF- UNICAMP ocupou os cargos de: Coordenador de Graduação(1990-1994), Diretor da Faculdade (1994-1998), Chefe do Departamento de Estudos de Atividade Física Adaptada (2003-2004) Coordenador do Programa de Pós -Graduação (2005-2006). Foi membro da Academia Paralímpica Brasileira ( 2010-2019); Classificador funcional da modalidade Esgrima em Cadeira de Rodas pelo Comitê Paralímpico Brasileiro ( 2002-2019) e classificador senior da IWASF- International Wheelchair & Amputee Sports Federation ( 2008-2019). Foi agraciado com o Certificate of Appreciation IWASF 2019. Membro do Conselho Consultivo da Federación Sudamericana de Actividad Física Adaptada. Foi Presidente do Conselho Estadual de Assistência Social do Estado de São Paulo(1995-1996). Sócio fundador e primeiro presidente da Sociedade Brasileira de Atividade Motora Adaptada - SOBAMA- biênio 1994-1995.Tem como área de pesquisa Atividade Motora Adaptada e Esportes Adaptados.

Downloads

Publicado

2022-02-25

Como Citar

HELENA SANTANA DALLA DÉA, V. .; PAULO BATISTA DALLA DÉA, V. .; DUARTE, E. Atividade física, alimentação e distanciamento social de pessoas com síndrome de down durante a pandemia da COVID-19. Pensar a Prática, Goiânia, v. 25, 2022. DOI: 10.5216/rpp.v25.69540. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fef/article/view/69540. Acesso em: 18 ago. 2022.

Edição

Seção

Seção temática - Covid 19 e os desafios para a Educação Física