O envelhecimento do professor de Educação Física Escolar: repercussões na saúde, prática profissional e cotidiano laboral

Autores

  • Murilo Cabral Gomes Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil murilocg@yahoo.com.b
  • Alan Camargo Silva Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil alancamargo10@gmail.com
  • Alexandre Moraes de Mello Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil alemoraesrj@yahoo.com.br
  • Sílvia Maria Agatti Lüdorf Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil sagatti.rlk@terra.com.br

DOI:

https://doi.org/10.5216/rpp.v23.54710

Palavras-chave:

Escola, Corpo, Esporte, Lazer

Resumo

Este estudo, de caráter qualitativo, teve como objetivo analisar como o processo de envelhecimento, para professores de Educação Física escolar, pode repercutir na saúde, na prática profissional e no cotidiano laboral. Foram entrevistados(as) 12 professores(as), formados entre 1970 e 1980 e na faixa etária entre 46 e 66 anos, que atuavam em escolas públicas do Rio de Janeiro há mais de 20 anos. Os dados foram tratados com base na análise de conteúdo. Os resultados indicaram que, embora o ruído ocupacional e o desgaste corporal em geral tenham sido os principais aspectos que impactam na saúde e na prática profissional dos professores na escola, os saberes da experiência cotidiana auxiliam esses docentes a lidarem com o passar dos anos na profissão.

Palavras-chave: Docentes. Escola. Educação Física. Condições de Trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Murilo Cabral Gomes, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil murilocg@yahoo.com.b

Mestre em Educação Física pela Escola de Educação Física e Desportos da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Membro do Núcleo de Estudos Sociocorporais e Pedagógicos em Educação Física e Esportes (NESPEFE/ EEFD-UFRJ)

Alan Camargo Silva, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil alancamargo10@gmail.com

Doutor em Saúde Coletiva pelo Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Membro do Núcleo de Estudos Sociocorporais e Pedagógicos em Educação Física e Esportes (NESPEFE/ EEFD-UFRJ).

Alexandre Moraes de Mello, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil alemoraesrj@yahoo.com.br

Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo. Professor da Escola de Educação Física e Desportos da Universidade Federal do Rio de Janeiro (EEFD-UFRJ)

Sílvia Maria Agatti Lüdorf, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil sagatti.rlk@terra.com.br

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professora da Escola de Educação Física e Desportos e Coordenadora do Núcleo de Estudos Sociocorporais e Pedagógicos em Educação Física e Esportes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (NESPEFE/ EEFD-UFRJ)

Downloads

Publicado

12-05-2020

Como Citar

Gomes, M. C., Silva, A. C., de Mello, A. M., & Lüdorf, S. M. A. (2020). O envelhecimento do professor de Educação Física Escolar: repercussões na saúde, prática profissional e cotidiano laboral. Pensar a Prática, 23. https://doi.org/10.5216/rpp.v23.54710

Edição

Seção

Artigos Originais