Narrando a própria morte: os relatos de experiências de quase-morte como narrativas de sentido

Palavras-chave: morte, experiências, emoções, narrativas

Resumo

 A morte é um fenômeno que revela importantes aspectos socioculturais. As ciências sociais, em especial a antropologia, já demonstraram o potencial desse fenômeno para além dos seus aspectos biológicos. Neste artigo, a morte serve de tema para a reflexão sobre experiências, narrativas e sentidos. Com base em
relatos de Experiências de Quase-Morte (EQM), o autor descreve como são construídas narrativas de sentidos, como novos arranjos emocionais e cognitivos são expressos narrativamente e como muito da cultura é compartilhada pelo que se diz. Nesse sentido, o argumento central deste artigo consiste em compreender como um fenômeno biológico, no presente caso, a morte, é ressignificado, ganhando novos contornos e aspectos essencialmente culturais. Evidencia-se ao fim, que as narrativas de quase-morte são
relatos que guardam relações importantes com as concepções cosmológicas, envolvendo aspectos como memória, percepção simbólica e padrões emocionais. Entrevistas em profundidade compõem o material teórico do artigo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arlindo Netto, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil

Doutor em antropologia pela Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil.

Publicado
18-05-2020
Como Citar
Netto, A. (2020). Narrando a própria morte: os relatos de experiências de quase-morte como narrativas de sentido. Sociedade E Cultura, 23. https://doi.org/10.5216/sec.v23i.54620
Seção
Artigos Livres