METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DO ESCOAMENTO SUBSUPERFICIAL EM VERTENTES

METHODOLOGY FOR EVALUATING SUBSUPERFICIAL RUNOFF IN STRANDS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/bgg.v39i0.56995

Resumo

O estudo teve como objetivo criar uma proposta metodológica para examinar a dinâmica do fluxo subsuperficial da água nas vertentes, considerando que a mesma possa ser aplicada em todo tipo de domínio climático e do tipo de solo/cobertura, exceto em locais onde predominam coberturas constantes por neve ou gelo. Para tanto, foram realizados trabalhos de campo e análises de laboratório e a ideia central é avaliar o quanto é escoado superficialmente após um evento chuvoso e quanto flui em subsuperfície ao nível de até 100 cm e, finalmente, predizer o quanto é infiltrado para o lençol freático. O experimento foi desenvolvido em uma vertente com área de 16.657 m2 localizada na fazenda da Universidade Federal de Goiás, Campus de Jataí-GO. A vertente analisada apresenta declividade de 3,7° onde predomina Latossolo Vermelho-Escuro distroférrico com textura franco-argilosa. Utilizou-se durante o experimento que durou de agosto de 2017 a janeiro de 2018 medidas do escoamento superficial, coleta de amostras indeformadas de solos, avaliação da umidade dos solos em profundidades de 30, 60 e 100 cm, e foram registrados os volumes de chuva durante o período do experimento. Do total de chuva que chegou à superfície 20,444% escoaram, 61,78% foram armazenados no solo, 17,77% infiltraram para o lençol freático e 0,006% fluíram em subsuperfície ao longo da vertente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flavio Alves de Sousa, Universidade Estadual de Goiás

PROFESSOR DO CURSO DE GEOGRAFIA E ATUA NA ÁREA DE GEOGRAFIA FÍSICA.

Publicado

2019-03-16

Como Citar

DE SOUSA, F. A. METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DO ESCOAMENTO SUBSUPERFICIAL EM VERTENTES: METHODOLOGY FOR EVALUATING SUBSUPERFICIAL RUNOFF IN STRANDS. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 39, p. 1–22, 2019. DOI: 10.5216/bgg.v39i0.56995. Disponível em: https://revistas.ufg.br/bgg/article/view/56995. Acesso em: 23 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos