A VULNERABILIDADE NATURAL E AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA/CE - DOI 10.5216/bgg.V31i2.16842

Autores

  • Maria Elisa Zanella Universidade Federal do Ceará
  • Eustógio Wanderley Correia Dantas Universidade Federal do Ceará
  • João Luís Sampaio Olímpio Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.5216/bgg.v31i2.16842

Resumo

As limitações impostas pelos sistemas ambientais não foram plenamente consideradas no processo de formaçãoe ocupação das cidades em escala global. Na atualidade, tal reflexão se impõe associada à necessidade de garantiada qualidade ambiental aos habitantes desta parcela do território, bem como no sentido de se evitar situações deriscos ambientais futuros. Nesta perspectiva, o presente trabalho se propõe analisar a vulnerabilidade naturale ambiental associada ao município de Fortaleza, Ceará/Brasil. Objetivando auxiliar no planejamento urbanoambientalda cidade, serão indicadas, de um lado, as áreas mais vulneráveis às intervenções antropogênicase, de outro lado, as potencialidades dos sistemas ambientais. Pautada na abordagem ecodinâmica (fundadanos conceitos de estabilidade/instabilidade dos ambientes), integrada à reflexão em torno da qualidade dainfraestrutura urbana, construiu-se metodologia a se utilizar dos Sistemas de Informações Geográficas naelaboração e integração dos mapas de geologia, geomorfologia, pedologia, cobertura vegetal e qualidade dainfraestrutura urbana. Tendo como produto os mapas de vulnerabilidade natural e ambiental de Fortaleza,constata-se concentração das áreas de maior vulnerabilidade nas proximidades de rios, lagoas e campos dedunas, locais nos quais a infraestrutura urbana é qualificada como precária e, consequentemente, propiciadorade maiores riscos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-01-11

Como Citar

ELISA ZANELLA, M.; WANDERLEY CORREIA DANTAS, E.; LUÍS SAMPAIO OLÍMPIO, J. A VULNERABILIDADE NATURAL E AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA/CE - DOI 10.5216/bgg.V31i2.16842. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 31, n. 2, p. 13–27, 2012. DOI: 10.5216/bgg.v31i2.16842. Disponível em: https://revistas.ufg.br/bgg/article/view/16842. Acesso em: 20 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos