A valoração da paisagem da Chapada Diamantina: uma análise do espaço concebido, vivido e percebido - DOI 10.5216/ag.v3i3.8601

Autores

  • Delza Rodrigues de Carvalho UFS
  • Maria Geralda de Almeida UFG

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v3i3.8601

Resumo

O método de avaliação ambiental, denominado “Método de Contingência”, contribui para valoração da paisagem centrada no espaço e no sujeito. A partir da valoração da paisagem pode-se obter informações que demonstrem ou não a necessidade de conservar determinadas áreas municipais e, ao mesmo tempo, efetuar um planejamento de políticas públicas para ocupação de áreas que causem menos impacto ao ambiente natural. Essa análise foi feita à luz do valor de uso dos moradores de Lençóis, Mucugê, Palmeiras, Andaraí, Ibicoara -Bahia e turistas, associados aos sujeitos que efetivamente exercem poder - comerciantes locais e empresários do turismo. Como referencial teórico incorporou-se as abordagens de produção espacial de Lefebvre, nas quais ele define que o espaço é produzido na dimensão do concebido, percebido e vivido, associadas à DAP1 pela conservação da paisagem. A partir dos questionários aplicados, constatou-se a dificuldade em induzir os indivíduos a revelaram sua verdadeira disposição de pagar pelo patrimônio ambiental, frente à questão e à possibilidade de aproveitamento coletivo advindo da conservação ambiental. Palavras-Chave: Valoração econômica; Método de Contingência; espaço (concebido, percebido e vivido).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2010-01-08

Como Citar

CARVALHO, D. R. de; ALMEIDA, M. G. de. A valoração da paisagem da Chapada Diamantina: uma análise do espaço concebido, vivido e percebido - DOI 10.5216/ag.v3i3.8601. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 3, n. 3, p. 174–199, 2010. DOI: 10.5216/ag.v3i3.8601. Disponível em: https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/8601. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos