Ecologia política e saneamento básico: análise a partir da periferia metropolitana do Rio de Janeiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v17i1.74784

Resumo

O acesso as redes de abastecimento de água e de esgotamento sanitário são elementos essenciais do saneamento básico, todavia o acesso a essas redes está cada vez mais condicionada a modelos excludentes e refletem a forma desigual de reprodução do espaço. Existe uma necessidade de se pensar criticamente uma ecologia política que avalie as condições desta oferta e revele as assimetrias em tempos marcados pelo neoliberalismo, que incorpora, a partir do novo marco legal novos rumos para política de saneamento no país. Assim, o presente texto objetiva apresentar um olhar crítico a partir das realidades existentes na periferia da periferia da metrópole do Rio de Janeiro – aqui recortada a partir do segmento do Extremo Oeste Metropolitano – diante do atual contexto de privatização (concessão) dos serviços de abastecimento e coleta de esgoto. São utilizados dados de acesso com base no IBGE e no SNIS e uma cartografia que explicita as diferenciações de acesso a tais serviços no Extremo Oeste Metropolitano Fluminense, tendo sua exemplificação a partir do caso da cidade de Paracambi.

Palavras-Chave: Acesso à água e esgoto, neoliberalismo, privatização da CEDAE, Desigualdades

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2023-04-20

Como Citar

ROCHA, A. S. da; DIAS DE OLIVEIRA, L. Ecologia política e saneamento básico: análise a partir da periferia metropolitana do Rio de Janeiro. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 17, n. 1, p. 112–133, 2023. DOI: 10.5216/ag.v17i1.74784. Disponível em: https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/74784. Acesso em: 24 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos