Os impactos da Covid-19 no setor supermercadista de Brasília

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v16i3.72477

Resumo

O presente artigo busca compreender como as redes de supermercados em Brasília (DF) enfrentaram a pandemia de covid-19 e quais estratégias foram utilizadas para se adequar às mudanças no comércio e no consumo. A metodologia do estudo consistiu na seleção das dez maiores redes de supermercado em número de lojas da Associação de Supermercados de Brasília (ABRAS). No início da pandemia com o fechamento de feiras livres e mercados públicos a população foi compelida a consumir nos supermercados. Como resposta as redes varejistas investiram massivamente no aumento do e-commerce e na ominicalidade. Verificou-se em Brasília o incentivo às compras nos sites e em aplicativos próprios concomitantemente com a inauguração de lojas físicas. Outra medida foi a reforma e modernização de lojas com a oferta de serviços de atendimento e de delivery. A pesquisa conclui que o caráter híbrido do físico e do digital demonstra a centralidade das espacialidades do consumo complexificadas com o advento da pandemia abrindo a possibilidade de novas agendas de pesquisa cuja participação da Geografia torna-se fundamental.

Palavras-chave: Abastecimento alimentar. Espaço urbano. Varejo alimentício Pandemia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-12-21

Como Citar

AGNER, M.; DA SILVA, I.; BEZERRA, J. Os impactos da Covid-19 no setor supermercadista de Brasília. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 16, n. 3, p. 102–122, 2022. DOI: 10.5216/ag.v16i3.72477. Disponível em: https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/72477. Acesso em: 21 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos