Sistemas ambientais e susceptibilidade à desertificação a partir de indicadores biofísicos no município de Assú/RN

Autores

  • Maria Carolina de Santana Peixôto Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil.
  • Manoel Cirício Pereira Neto Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Assú, Rio Grande do Norte, Brasil.
  • Josiel de Alencar Guedes Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Assú, Rio Grande do Norte, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v16i1.69757

Resumo

Com base na análise sistêmica e estudos integrados, o presente trabalho tem como objetivo analisar a aplicabilidade dos indicadores geobiofísicos da desertificação nos sistemas ambientais do município de Assú, localizado no interior do estado do Rio Grande do Norte. As bases teórico-metodológicas são apresentadas sob enfoque holístico a partir dos elementos da paisagem, perpassando pela teoria Geossistêmica. Metodologicamente o trabalho aconteceu a partir da bibliografia, seguido pela produção cartográfica por meio de imagens de satélites e de órgãos especializados, correção dos dados obtidos, além do trabalho de campo para assim determinar os sistemas ambientais e aplicar os indicadores geobiofísicos para determinar sua susceptibilidade à desertificação. Os indicadores demonstraram que as áreas de maior susceptibilidade à desertificação, bem como maior instabilidade e vulnerabilidade ambiental, está presente nos sistemas ambientais denominados Depressão Interplanáltica do Complexo Caicó e Cristas Residuais e Inselbergs.

Palavras-Chave: Semiárido. Desertificação. Teoria Geossistêmica. Vulnerabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2021-12-20

Como Citar

PEIXÔTO, M. C. de S.; PEREIRA NETO, M. C.; GUEDES, J. de A. Sistemas ambientais e susceptibilidade à desertificação a partir de indicadores biofísicos no município de Assú/RN. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 15, n. 3, p. 108–129, 2021. DOI: 10.5216/ag.v16i1.69757. Disponível em: https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/69757. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos