Povos indígenas, identidades territoriais e territorialidades fragilizadas no norte do Amapá, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v14i2.64350

Resumo

O propósito desta discussão é refletir sobre como os indígenas Galibi do Oiapoque, Galibi Marworno,Palikur e Karipuna constroem seus lugares-territórios onde exercem uma vigilância territorial e desenvolvem suas identidades territoriais independentemente das múltiplas interações entre estes povos. Levantamento bibliográfico, reportagens em site de jornais nacionais, documentos e atas de reuniões de associações, ONGs e entrevistas forneceram os dados apresentados. Conclui-se que existem, para esses povos indígenas um lugar-território que se sobrepõe à fronteira Brasil e Guiana Francesa; e uma forte identidade territorial, embora com territorialidades fragilizadas em face das tensões espaciais decorrentes de intervenções inadequadas e da ausência de políticas indigenistas apropriadas.

Palavras-chave: alteridade, transformações socioculturais, politicas indígenas, lugar-território.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2020-08-07

Como Citar

DE ALMEIDA, M. G. Povos indígenas, identidades territoriais e territorialidades fragilizadas no norte do Amapá, Brasil. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 14, n. 2, p. 91–111, 2020. DOI: 10.5216/ag.v14i2.64350. Disponível em: https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/64350. Acesso em: 25 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos