O mapa no ensino de geografia: uma análise do trabalho docente em Madrid (Espanha) e em Goiânia (Brasil)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v13i3.60860

Resumo

Este texto apresenta resultados de um estágio de pós-doutorado que teve como objetivo analisar como os professores de Geografia da Educação Infantil até o Ensino Superior de Madrid (Espanha) e de Goiânia (Brasil) trabalham com o mapa, enquanto linguagem cartográfica, em suas aulas na perspectiva de contribuir para a educação geográfica. Para isso foram realizadas entrevistas a um grupo de professores em exercício que atuam em distintos níveis escolares. Como resultado, observou-se que o mapa nas aulas de Geografia desses docentes tem sido valorizado, porém mais na perspectiva do pensamento espacial para os professores espanhóis, enquanto que os docentes brasileiros relacionam o mapa nas leituras e práticas do cotidiano. Contudo, como a formação inicial desses professores esteve vinculada fortemente à Cartografia numa perspectiva euclidiana, o trabalho com o mapa se revelou mais associado ao ensino dos conteúdos cartográficos. Espera-se com este estudo identificar proximidades e diferenças entre as práticas desses professores e que as análises provenientes possam orientar melhor o trabalho com a linguagem cartográfica nas aulas de Geografia. 

Palavras-chave: Mapa; Linguagem cartográfica; Ensino de Geografia; Formação de Professores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2019-12-20

Como Citar

RICHTER, D.; DE LA VEGA, A. G. O mapa no ensino de geografia: uma análise do trabalho docente em Madrid (Espanha) e em Goiânia (Brasil). Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 13, n. 3, p. 46–65, 2019. DOI: 10.5216/ag.v13i3.60860. Disponível em: https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/60860. Acesso em: 4 jul. 2022.

Edição

Seção

Artigos