Agronegócio, campesinato e as especificidades da territorialização do capital em Goiás

Autores

  • Manoel Calaça Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil.
  • José Valdir Misnerovicz Escola de Formação Florestan Fernandes, São paulo (SP), Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v14i2.58351

Resumo

Este artigo reflete os avanços recentes do agronegócio em Goiás e o caráter concentrador e seletivo desse processo. O objetivo principal foi demonstrar que as políticas de financiamento do conjunto de atividades que compõem o agronegócio sustentam a expansão ocorrida no estado nas últimas décadas em oposição à expansão da produção camponesa. Para sustentar as reflexões apresentadas, foram analisados dados referentes à produção agrícola, bem como a destinação de recursos públicos para o financiamento das agroindústrias, que são indutoras da expansão da produção de commodities no estado de Goiás. Fica evidente o caráter concentrador dessas políticas. Concentram-se recursos nos setores hegemônicos em relação ao campesinato, bem como a concentração dos investimentos no centro-sul goiano, aumentando as desigualdades regionais e sociais.

Palavras chaves: Agronegócio. Campesinato. Financiamento. Concentração.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-08-07

Como Citar

CALAÇA, M.; MISNEROVICZ, J. V. Agronegócio, campesinato e as especificidades da territorialização do capital em Goiás. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 14, n. 2, p. 163–188, 2020. DOI: 10.5216/ag.v14i2.58351. Disponível em: https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/58351. Acesso em: 25 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos