Fronteira: espaço de referência identitária? - DOI 10.5216/ag.v1i2.3013

Autores

  • Ricardo José Batista Nogueira UFA

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v1i2.3013

Resumo

A tradição indica pelo menos duas concepções para o conceito de fronteira: o primeiro, fundado na política, diz respeito ao limite territorial de um estado-nacional; o segundo, com um significado mais acadêmico, por isso mesmo mais restrito, fundado na economia, procura identificar processos de expansão territorial interna com a incorporação de áreas à atividade produtiva. Ambas, contudo, sempre tiveram como referência espacial uma centralidade dada seja pelo lugar do centro político, ou do centro econômico, colocando a fronteira numa condição de periferia. A proposta deste trabalho é apresentar uma discussão sobre a fronteira que a coloque numa posição de centralidade, ou seja, enquanto região que apresenta uma identidade territorial para os seus habitantes, que tome por referência os aspectos deste lugar, que apresenta singularidades frente aos territórios nacionais dos quais fazem parte. Mais do que dados objetivos (gênese, extensão), apontar-se-á referências empíricas que constituem elementos subjetivos e participam da vida cotidiana fronteiriça no Brasil com a Colômbia e da República Dominicana com o Haiti.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2007-12-19

Como Citar

NOGUEIRA, R. J. B. Fronteira: espaço de referência identitária? - DOI 10.5216/ag.v1i2.3013. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 1, n. 2, p. 27–41, 2007. DOI: 10.5216/ag.v1i2.3013. Disponível em: https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/3013. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos