Para além da terra: acesso ao território e aos frutos da terra pelos povos tradicionais do cerrado - DOI 10.5216/ag.v6i3.21065

Autores

  • Robson Munhoz de Oliveira Unesp – Presidente Prudente
  • Rosângela Aparecida M. Hespanhol Unesp – Presidente Prudente

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v6i3.21065

Resumo

A presente investigação busca, por meio de revisão bibliográfica e pesquisa de campo em duas comunidades do nordeste de Goiás, compreender as relações dos povos cerradeiros com a natureza. A reestruturação do sistema produtivo agrícola atual e a criação de unidades de conservação vêm colocando em xeque os modus vivendi cerradeiros ao menosprezar o papel histórico dos povos tradicionais. Os cerradeiros são povos tradicionais com raízes ligadas a terra e ao trabalho no cerrado, sua forja, portanto, é a relação de determinação recíproca com a natureza. Sendo assim, não basta o acesso à terra desnudada, pois importa que nela sejam preservados os recursos necessários a existência destes povos e seus costumes. Em pesquisa de campo, observamos a forte dependência destes povos em relação aos diversos recursos naturais, em especial aos frutos nativos, dentre os quais se destacam: baru, pequi, buriti, coco catulé, cajuzinho do cerrado etc.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-11-15

Como Citar

OLIVEIRA, R. M. de; HESPANHOL, R. A. M. Para além da terra: acesso ao território e aos frutos da terra pelos povos tradicionais do cerrado - DOI 10.5216/ag.v6i3.21065. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 6, n. 3, p. 163–177, 2012. DOI: 10.5216/ag.v6i3.21065. Disponível em: https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/21065. Acesso em: 12 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos