Terras indígenas, propriedade comum e manejo da biodiversidade: uma comparação Brasil – Guiana Francesa - DOI 10.5216/ag.v4i1.16687

Autores

  • Geoffroy Filoche Institut de Recherche pour le Développement (IRD)
  • Vincenzo Lauriola Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA)

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v4i1.16687

Resumo

No final do ultimo século, os povos indígenas mudaram de estatuto nas representações sociais e nos cenários políticos, passando de “comunidades isoladas” ou grupos “afastados do desenvolvimento” a “parceiros locais” das políticas de manejo da biodiversidade e conservação da natureza. Isso resultou, dentre outros fatores, da convergência de dois movimentos: o reconhecimento político e jurídico crescente dos povos indígenas, e a evolução das políticas ambientais, redefinidas pelo paradigma do desenvolvimento sustentável. Mesmo assim, muitas políticas do paradigma anterior, o da “natureza intocada”, permanecem alimentando a reprodução de antigos e novos conflitos socioambientais. Finalmente, quais os direitos territoriais que os povos indígenas gozam efetivamente, no Brasil e na Guiana francesa? Em que medida e de que forma, lhes é reconhecida sua territorialidade própria? E, mais em particular, em que medida as concepções tradicionais de apropriação do espaço e dos recursos naturais podem ajudar na criação de dispositivos eficazes de manejo sustentável da biodiversidade?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2011-12-26

Como Citar

FILOCHE, G.; LAURIOLA, V. Terras indígenas, propriedade comum e manejo da biodiversidade: uma comparação Brasil – Guiana Francesa - DOI 10.5216/ag.v4i1.16687. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 4, n. 1, p. 164–195, 2011. DOI: 10.5216/ag.v4i1.16687. Disponível em: https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/16687. Acesso em: 22 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos