Avá-Canoeiro: guardiões do Cerrado do Norte Goiano - DOI 10.5216/ag.v4i1.16685

Autores

  • Lorranne Gomes da Silva UFG

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v4i1.16685

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar como o grupo indígena Avá-Canoeiro está inserido no contexto do Cerrado do norte goiano e a importância de sua reserva - 38 mil hectares - tornando assim os “Guardiões do Cerrado”. Ao considerar que o uso e a ocupação do Cerrado pela modernização do capital se deram em tempos, espaços distintos e heterogêneos, a região norte é a grande detentora da biodiversidade. Os povos indígenas de Goiás apresentam saberes e modalidades de uso de espécies do bioma que não comprometem a sua redução, tal como têm sido as atividades econômicas capitalistas. No caso específico dos Avá-canoeiro, além de sua cultura ecológica não ser de acumulação, a vastidão de sua terra, contrastando com a sua diminuta população, são fatores de preservação da biodiversidade. Os Avá-Canoeiro teriam 38 mil hectares se estivessem localizados no sul ou sudoeste goiano? Para esta pesquisa foram utilizados levantamentos bibliográficos e trabalhos de campo1. Os resultados baseiam-se em dois fatores – o da cultura ecológica dos Avá-Canoeiro junto com a posição do norte – são elementos que protegem a biodiversidade, mas não acabam com outros níveis de pressão, como é a participação do hidronegócio e de atividades minero-extrativistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2011-12-26

Como Citar

DA SILVA, L. G. Avá-Canoeiro: guardiões do Cerrado do Norte Goiano - DOI 10.5216/ag.v4i1.16685. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 4, n. 1, p. 116–138, 2011. DOI: 10.5216/ag.v4i1.16685. Disponível em: https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/16685. Acesso em: 17 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos