ECOPERFORMANCE EM MAR CHIQUITA

Autores

  • Eleonora Candelaria Silvestro Universidade Provincial de Belas Artes, UPC, Córboda, Argentina, taanteatro@gmail.com

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v9i1.77939

Resumo

Relato artístico do encontro criativo entre a pintora argentina Candelaria Silvestro e a coreógrafa brasileira Maura Baiocchi e o processo de trabalho que levou à criação de Ophelia de Ansenuza, ecoperformance interpretada por Silvestro e dirigida por Baiocchi.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eleonora Candelaria Silvestro, Universidade Provincial de Belas Artes, UPC, Córboda, Argentina, taanteatro@gmail.com

Eleonora Candelária Silvestro. Pintora e performer nascida em 1977 em Córdoba, Argentina. Desde cedo Candelaria Silvestro demonstrou interesse pela pintura. Aos 10 anos começou a estudar com Ángela Proto de Rojo, frequentando durante oito anos a oficina da pintora de Córdoba. Em 1998, Silvestro expôs pela primeira vez suas pinturas. Sua obra, apresentada em espaços de arte, galerias e museus nacionais e internacionais, faz parte de coleções públicas e privadas na Argentina, Brasil, Holanda, Estados Unidos, Israel e Japão. De 1998 a 2019 colaborou e conviveu com o pintor Onofre Roque Fraticelli (1998 - 2019). Juntos eles têm três filhos, Vitória, Lúcia e Onofre Fraticelli. Desde 2000 colabora com a Taanteatro Companhia, de São Paulo, criando cenários e objetos, figurinos e animações em vídeo. Em 2019, juntamente com a Companhia, Silvestro começou a atuar como intérprete em produções cinematográficas e teatrais. Silvestro vive e trabalha em Falda del Carmen, província de Córdoba, onde mantém seu ateliê e escola de pintura, a Casa Silvestro. É Especialista e Professora em Artes Plásticas pela Universidade Provincial de Belas Artes UPC Dr. Figueroa Alcorta e Graduada em Gestão Artística e Cultural pela Universidade Provincial de Belas Artes UPC Dr. Figueroa Alcorta.

Publicado

2023-12-10

Como Citar

SILVESTRO, E. C. ECOPERFORMANCE EM MAR CHIQUITA. Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 9, n. 1, p. 523–531, 2023. DOI: 10.5216/ac.v9i1.77939. Disponível em: https://revistas.ufg.br/artce/article/view/77939. Acesso em: 30 maio. 2024.

Edição

Seção

Relato de Experiência