Performances Negras, Pós-Graduação e Isolamento Social

Caminhos possíveis

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v8i2.74368

Resumo

Após uma experiência exitosa de trocas estabelecidas em sala de aula para compartilhar ensinamentos sobre performances negras, um grupo de docentes se vê diante do desafio de oferecer o componente curricular na modalidade remota, em função da pandemia de Covid-19. O presente artigo sistematiza essa vivência em uma narrativa que tem o objetivo de evidenciar a força das performances negras, ainda que com as limitações técnicas e o reduzido número de pessoas matriculadas. Além de oferecer subsídios para a presença de outros saberes em sala de aula. Os resultados alcançados sinalizam que a experimentação e o cuidado também fazem parte do processo de ensino-aprendizagem na pós-graduação e que a representatividade é essencial para fazer ecoar antirracismo e democracia. Mestres e mestras dos saberes mostraram o quanto é importante manter o cuidado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciene Dias, Universidade Federal de Goiás - UFG, Goiânia, Goiás, Brasil, luciene_dias@ufg.br

Professora Associada da Universidade Federal de Goiás (UFG), com atuação no Programa de Pós-Graduação em Performances Culturais, da Faculdade de Ciências Sociais (PPGPC/FCS/UFG), e no Programa de Pós-Graduação em Comunicação, da Faculdade de Informação e Comunicação (PPGCOM/FIC/UFG). Pesquisadora Coordenadora do Pindoba - Grupo de Pesquisa em Narrativas da Diferença-UFG. Pesquisadora do Coletivo Rosa Parks-UFG. Estuda relações étnico-raciais, de gênero e de sexualidades, em interface com os estudos de Comunicação, Performances Culturais e Antropologia. Doutora em Antropologia Social pelo Departamento de Antropologia (DAN) da Universidade de Brasília (UnB). Mestra em Ciências do Ambiente pela Universidade Federal do Tocantins (UFT). Especialista em Cultural Studies pela University of Arkansas (EUA). Graduada em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade Federal de Goiás (UFG).

Renata de Lima Silva (Kabilaewatala), Universidade Federal de Goiás - UFG, Goiânia, Goiás, Brasil, ​​renata_lima_silva@ufg.br

Doutora em Artes (2010) pelo Programa de Pós-Graduação em Artes da Unicamp. Mestre também na Unicamp (2004). É professora do curso de Licenciatura em Dança, do Programa de Pós-Graduação em Performances Culturais e do Programa de Pós-Graduação em Artes da Cena da Universidade Federal de Goiás. Também é artista-pesquisadora e diretora artística do Núcleo Coletivo 22 e capoeirista do Centro de Capoeira Angola Angoleiro Sim Sinhô.

Sebastião Rios, ​​Universidade Federal de Goiás, UFG, Goiânia, Goiás, Brasil, sebastiaorios@ufg.br

Professor da Faculdade de Ciências Sociais e do Programa de Pós-Graduação em Performances Culturais da Universidade Federal de Goiás. Pesquisador associado do Centro de Estudos Africanos da Universidade Eduardo Mondlane (Moçambique) e colaborador do Zentralinstitut für Lateinamerikastudien da Universidade Católica de Eichstätt (Alemanha). Doutor em Sociologia pela UnB / Universidade de Innsbruck, Áustria (1998), mestre em Literatura (1993) e bacharel em História pela UnB (1987). Atua nas áreas de Sociedade e Cultura Brasileira, Literatura Brasileira, Música e Sociedade, Cultura Popular / Patrimônio Imaterial, com vários registros de Folias de Reis e Congados em livros, CDs e vídeos.​

Referências

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. O trato dos viventes. A formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Cia. das Letras, 2000.

CAPELA, José. O tráfico de escravos nos portos de Moçambique 1717-1904. 2. ed. Porto: Edições afrontamento, 2016.

DADE, Falume. Likumbi&Ngomma: um estudo sobre a reprodução cultural dos Macondes. Monografia. Licenciatura em Sociologia. Universidade Eduardo Mondlane, 2012.

FLORENTINO, Manolo Garcia. Em Costas Negras. Uma história do tráfico atlântico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro (séculos XVIII e XIX). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1995.

FU-KIAU, Bunseki K. K. Le mukongo et le monde qui l’entourrait.Kinshasa: Centre d’Education et de Recherche Scientifiques en Langues Africaines, 1969.

GONZALEZ, Lélia. Primavera para as rosas negras: Lélia Gonzalez em primeira pessoa. Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018.

GUIMARÃES, Antônio Sérgio Alfredo. Racismo e anti-racismo no Brasil. São Paulo: Ed. 34, 1999.

IPHAN. Dossiê iphan4: Samba de Roda do Recôncavo Baiano, Brasília, DF : Iphan, 2006.

KARASCH, Mary C. Centro-africanos no Brasil Central, de 1780 a 1835. Em Linda Heywood (org.). Diáspora negra no Brasil. São Paulo: Contexto, 2008.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Editora Cobogó, 2019.

LIBERATO, Carlos; CÂNDIDO, Mariana P.; LOVEJOY, Paul; FRANCE, Renée Soulodre-La (Orgs.). Laços Atlânticos: África e africanos durante a era do comércio transatlântico de escravos. Luanda: Museu Nacional da Escravatura, 2017.

LIGIÉRO, Zeca. Corpo a corpo: estudo das performances brasileiras. Rio de Janeiro: Garamond, 2011.

LIMA, Evani Tavares. Um olhar sobre o teatro negro do Teatro Experimental do Negro e do Bando de Teatro Olodum. 2010. 307 p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Artes, Campinas, SP. Disponível em: https://hdl.handle.net/20.500.12733/1613490. Acesso em: 27 jun. 2022.

LOPES, Nei. Bantos, Malês e Identidade Negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

MANJATE, Teresa. Estudos da literatura oral: da Performance como expressão de um novo paradigma. Estudos moçambicanos. Maputo, v. 23 (especial), Mar. 2014, pp. 139 – 158.

MATE, Xadreque Paulo. O Colonialismo e o Destino das Danças Tradicionais Guerreiras em Moçambique. Embondeiro. Maputo, ARPAC, n. 2, out 2018, pp. 8-18.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção e política da morte. São Paulo: n-1 edições, 2018.

RIOS, Sebastião. Cultura popular: práticas e representações. Dossiê Performances culturais. João Gabriel L. C. Teixeira (Org). Brasília, Revista Sociedade e Estado (UnB), v. 29, p. 791-820, 2014.

SANTANA, Monica Pereira de. A performance de criadoras negras e o corpo como discurso (p. 65-79). Cadernos do GIPE-CIT: Grupo Interdisciplinar de Pesquisa e Extensão em Contemporaneidade, Imaginário e Teatralidade / Universidade Federal da Bahia. Escola de Teatro. Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas – n. 39, dez, 2017.2. Salvador (BA): UFBA/PPGAC

SANTANA, Mônica Pereira de. Mulheres negras: (auto) - (re)invenções: devires e criação de novos discursos de si nos corpos de criadoras negras. 2021. 306 f. Tese(doutorado) – Universidade Federal da Bahia, Escola de Teatro, Salvador, 2021. Acesso em: 27 jun 2022.

SILVA, Luciane Ramos da. Corpo em diáspora: colonialidade, pedagogia de dança e técnica GermaineAcogny. 2017. 1 recurso online (281 p.) Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Artes, Campinas, SP. Disponível em: https://hdl.handle.net/20.500.12733/1633729. Acesso em: 27 jun. 2022.

SILVA, Renata de Lima (Kabilaewatala); FALCÃO, José Luiz Cirqueira. Performance negra e dramaturgias do corpo na Capoeira Angola [recurso eletrônico] Porto Alegre, RS: Editora Fi, 2021.

SILVÉRIO, Valter R. Raça, etnicidade e ciência(s) na luta contra o racismo. In: HITA, M. G. Raça, racismo e genética: em debates científicos e controvérsias sociais. Salvador: Edufba, 2017.

SLENES, Robert W. Malungu, ngoma vem! África coberta e descoberta no Brasil. Revista USP, n. 12, p. 48-67, dez.-jan.-fev. 1991-1992.

SOARES, Paulo (et alii). Música tradicional em Moçambique. Maputo: Ministério da Educação e Cultura, 1980.

THORNTON, John. A África e os africanos na formação do mundo atlântico (1400-1800). Tradução de Marisa Rocha Matta; Coordenação editorial de Mary dei Priore; Revisão técnica de Márcio Scalercio. Rio de Janeiro: Editora Campus / Elsevier, 2004.

VIANA, Talita; RIOS, Sebastião. Fotografias de Marcelo Feijó e Diana Landim. Na Angola tem: Moçambique do Tonho Pretinho. Goiânia/Tubarão: FCS–UFG/Gráfica e Editora Copiart, 2016. 208 p.

Filmes:

A cama, a carne e o querer. Direção, Roteiro, Edição e Fotografia: Daniel Fagundes; Realização: Capulanas Cia. de Arte Negra. São Paulo, 2018. https://www.youtube.com/watch?v=3smniNxHRaw

Bule Bule: um grande mestre das tradições da música e da cultura. Realização: Nós transatlânticos / Petrobras. https://www.youtube.com/watch?v=8RsWc-xeRoE

Na angola tem. Direção de Talita Viana e Sebastião Rios. Direção de fotografia de Diana Landim. Realização: CRESPIAL/UNESCO; Iphan; UFG; UnB; Bastião. Goiânia e Brasília. 2016. https://www.youtube.com/watch?v=AyhB2LnEZK0

Downloads

Publicado

2023-06-20

Como Citar

DE OLIVEIRA DIAS, L.; DE LIMA SILVA (KABILAEWATALA), R.; RIOS CORRÊA JÚNIOR, S. Performances Negras, Pós-Graduação e Isolamento Social: Caminhos possíveis. Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 8, n. 2, p. 210–246, 2023. DOI: 10.5216/ac.v8i2.74368. Disponível em: https://revistas.ufg.br/artce/article/view/74368. Acesso em: 21 maio. 2024.