Triologia da fuga

utopia, memória e futuro nas dramaturgias de Jhonny Salaberg

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v7i2.70140

Resumo

Neste artigo, faço uma análise narrativa, estética e discursiva da Trilogia da Fuga, conjunto de três textos (“Buraquinhos ou o vento é inimigo do picumã”, “Mato Cheio” e “Parto Pavilhão”) do dramaturgo paulistano Jhonny Salaberg. Na Trilogia da Fuga, o autor nos conduz por histórias que trazem personagens negras como centro da cena, retratando poética e politicamente temáticas como o racismo, a violência policial, as desigualdades sociais, o encarceramento em massa, a violência de gênero, o processo sócio-histórico da escravização e suas permanências no presente, bem como as possibilidades de futuro e utopia na busca pela liberdade e mudanças efetivas. Para tanto, estabeleço diálogos entrecruzados com Leda Maria Martins (1995), Eduardo Duarte (2010), Achille Mbembe (2018) e Frantz Fanon (2020), partindo dos conceitos de memória, violência, racismo e necropolítica, percebendo como os textos dramatúrgicos supracitados articulam através da escrita e da composição de imagens tais problemáticas nos mais diferentes contextos e situações dramáticas, recontando histórias e ressignificando dessa forma as (re)existências negras no teatro brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Alberto Mendonça Filho, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, carloscanarim1@gmail.com

Dramaturgo, ator e professor. Bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (FAPESC). Mestrando em Teatro pela Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc). Graduado em Teatro pela Universidade Estadual do Paraná (Unespar).

E-mail: carloscanarim1@gmail.com

Referências

ALEXANDRE, Marcos Antônio. O teatro negro em perspectiva: dramaturgia e cena negra no Brasil e em Cuba. Rio de Janeiro: Malê, 2017.

ANZALDÚA, Gloria. Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 8, n. 1, 2000. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/9880/9106>. Acesso em: 11 set. 2021.

BENJAMIN, Walter. Crítica da violência: crítica do poder. In: Espaço Acadêmico, v. 2, n. 21, 2003. Disponível em: <https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/46277>. Acesso em 26 ago. 2021.

CARCAÇA DE POÉTICAS NEGRAS. Mato cheio. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

DUARTE, Eduardo de Assis. Por um conceito de literatura afro-brasileira. In: Terceira Margem, v. 14, n. 23, 2010. Disponível em: <https://revistas.ufrj.br/index.php/tm/article/view/10953/8012>. Acesso em 26 ago 2021.

FANON, Frantz. Pele Negra, Máscaras Brancas. Rio de Janeiro: Ubu, 2020.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Editora Vozes, 1987.

LIMA, Evani Tavares. Um olhar sobre o Teatro Negro do Teatro Experimental do Negro e do Bando de Teatro Olodum. 279f. Tese (Doutorado em Artes). UNICAMP, Campinas, 2010.

MARTINS, Leda Maria. A Cena em Sombras. São Paulo: Perspectiva, 1995.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. São Paulo: n-1, 2018.

MIGNOLO, Walter D. Desafios decoloniais hoje. In: Epistemologias do Sul, Foz do Iguaçu, n. 1, v. 1, p. 12-37, 2017. Disponível em <https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/view/772>. Acesso em 26 jun. 2021.

NASCIMENTO, Abdias do. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

PAULA, Emerson de. O texto do negro ou o negro no texto. Rio Branco: Stricto Sensu, 2021.

SALABERG, Jhonny. Buraquinhos ou o vento é inimigo do picumã. Rio de Janeiro: Cobogó, 2018.

__________. Parto Pavilhão. Rio de Janeiro: Cobogó, 2021.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. O Local da Diferença: Ensaios sobre Memória, Arte, Literatura e Tradução. São Paulo: Editora 34, 2005.

SOUZA, Julianna Rosa de. Personagem negra: uma reflexão crítica sobre os padrões raciais na produção dramatúrgica brasileira. In: Revista Brasileira de Estudos da Presença, v. 7, n. 2, 2017. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/presenca/article/view/66612>. Acesso em 12 set. 2021.

RUFINO, Luiz. Pedagogia das Encruzilhadas. Rio de Janeiro: Mórula, 2019.

SANTOS, Neusa. Tornar-se negro. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

Downloads

Publicado

2022-03-25

Como Citar

MENDONÇA FILHO, C. A. Triologia da fuga: utopia, memória e futuro nas dramaturgias de Jhonny Salaberg. Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 7, n. 2, p. 249–282, 2022. DOI: 10.5216/ac.v7i2.70140. Disponível em: https://revistas.ufg.br/artce/article/view/70140. Acesso em: 27 nov. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático