A Criação de uma rainha com corporeidades de axé:

outras cenas, outros caminhos estéticos.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v7i1.67931

Resumo

Neste diálogo, deseja-se refletir práticas e metodologias de processos criativos para a cena em que estejam contidos estéticas de matrizes corporais de culturas afro-brasileiras. Desse modo, propõe-se caminhos estéticos e técnicos como perspectiva e alternativa de um outro modo de pensar a cena na atualidade. Terei como eixos inspiradores a figura da rainha africana Nzinga, a terminologia Axé, que se mostra como alternativa para pensar sobre energia para o corpo em cena e o conceito de Corponegritude que é resultado das pesquisas por mim realizadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jonas de Lima Sales, Universidade de Brasília, Brasília, Brasil.

Ator, diretor, coreógrafo e professor efetivo do Departamento de Artes Cênicas da Universidade de Brasília (UnB), é Pós-doutor pela Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa, Doutor em Arte/UnB. Mestre em Educação e Especialista em Dança pela UFRN, desenvolve atualmente atividades que se relacionam com teatro, dança, arte-educação e culturas tradicionais. Coordenador do grupo de pesquisa e extensão Cena Sankofa – Núcleo de estudos das corporeidades e saberes tradicionais na cena contemporânea. Suas pesquisas estão nos campos da corporeidade e negritude, manifestações cênicas tradicionais e pedagogias da cena.

Referências

AGUALUSA, José Eduardo. A Rainha Ginga – e de como os africanos inventaram o mundo. Lisboa: Quetzal, 2014.

BARBOSA, Solange. O espírito da rainha Nzinga Mbandi no Brasil e no caribe. In: MATA, Inocência (org.). A rainha Nzinga Mbandi – História, Memoria e Mito. Edições colibri, Lisboa: 2010.

FARIAS, Edson Silva de. Por outra semântica do popular. In: FARIAS, Edson Silva de; MIRA, Maria Celeste (Orgs). Faces Contemporâneas da Cultura popular. Jundiaí: Paco Editorial, 2014.

HEYWOOD, Linda M. Nzinga de Angola - A rainha guerreira da África. Lisboa: Casa das letras, 2018.

hooks, bell. Não serei eu Mulher? Lisboa: Orfeu Negro, 2018.

LIGIÉRO, Zeca. Batucar, dançar, tocar – desenho da performance africana no Brasil. Revista Alétria. Ano 1, vol. 21, 2011.

LONGO, Clerismar Aparecido. O cotidiano da mulher negra em casa grande & senzala. In: RASSI, Sarah Taleb. (org) Negros na sociedade e na cultura brasileiras III. Goiânia: Editora da UCG, 2008, p. 47-63.

MUNANGA, Kabengele. Negritude – Usos e sentidos. 4ªed. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2020.

NÓBREGA, Terezinha Petrúcia da. (org) Estesia – corpo e fenomenologia em movimento. São Paulo: Liiber Ars, 2018.

RUFINO, Luiz. Pedagogia das encruzilhadas. Rio de janeiro: Mórula editora, 2019.

SALES, Jonas. Corporeidades negras em cena – reflexões. Anais da VII Reunião Científica da ABRACE, Belo Horizonte: ABRACE, 2013.

______________. Corporeidades negras em cena – um processo cênico-pedagógico em diálogos com a tradição e a contemporaneidade. PPGARTE/UnB. 2015. Tese de doutorado. Universidade de Brasília. Brasília, 2015.

SODRÉ, Muniz. A verdade Seduzida – Por um conceito de Cultura no Brasil. Rio de Janeiro: CODECRI, 1983.

Downloads

Publicado

29-07-2021

Como Citar

Sales, J. de L. (2021). A Criação de uma rainha com corporeidades de axé:: outras cenas, outros caminhos estéticos. Arte Da Cena (Art on Stage), 7(1), 176–200. https://doi.org/10.5216/ac.v7i1.67931

Edição

Seção

Dossiê Temático - Eixo 3: Dramaturgias