UM CORPO SEM ÓRGÃOS

Ao artigo indefinido nada falta, o artigo indefinido é o condutor do desejo

Autores

  • Baga de Bagaceira Souza Campos Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cachoeira, Bahia, Brasil.
  • Hanna Cláudia Freitas Rodrigues Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.
  • George Varanese Neri Faculdade de Tecnologia e Ciências, Salvador, Bahia, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v6i1.64774

Resumo

Em resumo, as foto-performances aqui apresentadas consistem em investigar o conceito de corpo sem órgãos, elucidado em dois momentos e por dois distintos filósofos: O corpo sem órgãos concebido por Antonin Artaud em Teatro e seu Duplo (1935) e Para acabar com o juízo de Deus (1946) e, a dobra deste conceito em Como criar para si um Corpo-sem-órgãos, em Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia, de Deleuze e Guattari e transformá-las em escrita.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Baga de Bagaceira Souza Campos, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cachoeira, Bahia, Brasil.

Drag Performer. Doutorando pelo Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade da Universidade Federal da Bahia (UFBA), na linha de pesquisa Cultura e Arte. Mestre em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação - Mídia e Formatos Narrativos - da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), na linha de pesquisa Mídia e Sensibilidades (2019). Jornalista diplomado pela UFRB (2017). Possui artigo científico apresentado em eventos internacionais: XII Congresso da Associação LatinoAmericana de Investigadores da Comunicação (ALAIC), realizado em Lima - Peru, 2014; no IV Congresso Internacional sobre Culturas, em Cachoeira-BA, 2018; no XIV Congresso da Associação LatinoAmericana de Investigadores da Comunicação (ALAIC), em San José - Costa Rica, 2018; dentre outros trabalhos acadêmicos. Tem atuação na área de assessoria de comunicação através do Projeto CINE TRANS TERRITORIAL, aprovado pela Secretaria de Cultura do Estado da Bahia no setor de Culturas Populares e Identitárias (2017). Integrante do grupo de Pesquisa CORPO E CULTURA (CNPq), coordenado pela professora Dra. Renata Pitombo Cidreira, desde 2014 na linha de pesquisa Corpo e Expressão. Foi membro do Comitê de Acompanhamento de Políticas Afirmativas e Acesso à Reserva de Cotas (COPARC/2017-2019) da UFRB. Atua no Coletivo AQUENDA de diversidade sexual e de gênero (2012-Atual). Interesse nos estudos que envolvem as temáticas sensíveis ao corpo adornado queer, utilizando as seguintes expressões: ''sensibilidades adornadas'' e ''armadura queer'' para pensar a vestimenta enquanto potencialidade de resistência e existência ao corpo dito desobediente. Foi representante discente no colegiado do mestrado em Comunicação/UFRB (2017-2019). Durante a sua formação acadêmica apresentou comunicações/palestras com foco nos discursos sobre permanência, LGBTQIA+ e o poder das indumentárias. Artigos, ensaios visuais, traduções, resenhas, etc. publicadas em revistas científicas eletrônicas (Qualis A e B). Possui capítulos de livro publicados, entre eles os capítulos nos livros O Belo Contemporâneo (CIDREIRA, 2019) e na edição de 2020 do livro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação (COMPÓS).

Hanna Cláudia Freitas Rodrigues, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Doutoranda em Artes da Cena pelo Programa de Pós-graduação em Artes da Cena da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), mestre em Comunicação, Arte e Memória - Mídia e Formatos Narrativos, pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Especializada em Filosofia Contemporânea pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) e integrante pelo CNPq do Núcleo Interdisciplinar de Estudo e Pesquisa em Filosofia (NEF) da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Possui Graduação em Direito pela Faculdade Social da Bahia (FSBA) e é membra pela CAPES do Grupo de Estudos em Corpo na Filosofia e Psicanálise (GEFIP), coordenado pela Prof.ª Dr.ª Caroline Vasconcelos (UEFS); do Grupo de Estudos em Ciência Política: "Nenhuma rede é maior do que o mar: rede de sentidos, antagonismo e ontologia", coordenado pelo Prof. Dr. Laurênio Leite Sombra (UEFS); do Grupo de Pesquisa, Estudo e Extensão em Artes, Audiovisual e Patrimônio (GAAP), coordenado pelo Prof. Dr. Danillo Barata (UFRB); e, do Grupo de Pesquisa Corpo e Cultura, coordenado pela Prof.ª Dr.ª Renata Pitombo (UFRB). Professora no Centro Universitário de Cultura e Arte (CUCA) da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Possui formação profissional em Educadora em Linguagens do Movimento, pela Escola Contemporânea de Dança da Bahia (Dirigida por Fátima Suarez); bailarina profissional, performer urbano-intervencionista e pesquisadora em Corpografias Urbanas e práticas culturais contemporâneas.

George Varanese Neri, Faculdade de Tecnologia e Ciências, Salvador, Bahia, Brasil.

Graduado em Comunicação Social com habilitação em Hipermídia pela Faculdade de Tecnologia e Ciências, Campus Salvador FTC-SSA; Especialista em "Cinema, Expressão e Análise" pela Universidade Católica do Salvador- UCSAL. Fotógrafo, diretor de vídeo, videoartista, "Video Jockey" e artista plástico, participou de diversas mostras de cinema e vídeo, exposições em salões de artes visuais, além da ampla difusão de seus trabalhos na web. Dirigiu o doc-fic "Tragédia do Tamanduá" (2010, Edital do Fundo de Cultura da Bahia - FUNCEB/"Doc Territórios"), exibido no Short Film Corner/Cannes Court Métrage do Festival de Cannes, Edição 2011, Cannes, França. Pesquisador das relações sociedade-corpo-imagem, interessa-se pelo fazer cinematográfico em sua articulação com a cibercultura e os modos de criação artística por meio de tecnologias audiovisuais, atuando principalmente nos seguintes temas: interação estética mediada por computador; relação ficção-realidade no audiovisual; videoarte, cinema.

Downloads

Publicado

2020-07-31

Como Citar

SOUZA CAMPOS, B. de B.; FREITAS RODRIGUES, H. C.; VARANESE NERI, G. UM CORPO SEM ÓRGÃOS: Ao artigo indefinido nada falta, o artigo indefinido é o condutor do desejo. Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 6, n. 1, 2020. DOI: 10.5216/ac.v6i1.64774. Disponível em: https://revistas.ufg.br/artce/article/view/64774. Acesso em: 25 maio. 2024.