MULHERES NO MAMULENGO, RESSIGNIFICANDO O PRECONCEITO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v6i1.62195

Resumo

Este artigo é um recorte do trabalho de campo desenvolvido no mestrado em Artes Cênicas. Se propõe a investigar as novas gerações de brincantes de Mamulengo do gênero feminino da cidade de Glória de Goitá (PE). O Mamulengo é uma brincadeira de teatro de bonecos popular em Pernambuco e como tradição oral, é permanentemente ressignificado por seus produtores. A brincadeira permite a participação e o diálogo com o público, estabelecendo uma relação dinâmica que também se realiza no fortalecimento da identidade de um povo, que por meio da brincadeira: explicitam, expressam e denunciam valores, informam suas visões de mundo, seus desejos, experiências individuais e coletivas. Nessa perspectiva este artigo levanta alguns problemas: como lidam com o preconceito e como trabalham essas mulheres brincantes pertencentes à nova geração? Parti da hipótese que existem ressignificações e reelaborações nas brincadeiras que estarão presentes nas produções artísticas, acompanhando uma mudança de paradigmas ou pré-conceitos culturais sobre o universo feminino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Barbara Duarte Benatti, Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil.

Graduada em Administração com ênfase em Hotelaria pelo Instituto de Educação Superior de Brasília - IESB (2005). Licenciada em Educação Artística: Artes Cênicas, pela Universidade de Brasília-UnB (2008). A monografia para a conclusão do curso, abordou a questão da inclusão das artes em oficinas terapêuticas no Centro de Atenção para usuário de álcool e outras drogas - CAPS ad. Pós-graduada com especialização em Hotelaria Hospitalar, pela Universidade de Brasília-UnB (2009), dando desenvolvimento a pesquisa iniciada na graduação, ampliando o repertório sobre a inclusão das artes no processo de recuperação. Mestre em Artes Cênicas (2017), pela Universidade de Brasília-UnB. A dissertação explorou o teatro de bonecos do Mamulengo e a inclusão das mulheres, ressignificando a brincadeira. O trabalho foi selecionado como melhor dissertação na área de linguística, letras e artes junto ao prêmio UnB de dissertação e tese do ano de 2017. Atualmente é membro do BASis do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Pesquisa principalmente nos seguintes temas: teatro de bonecos popular do nordeste, mamulengo, narrativas orais e histórias de vida. (Texto informado pelo autor)  

Referências

ALCURE, Adriana Schneider. Mamulengos dos Mestres Zé Lopes e Zé de Vina: etnografia e estudo de personagens. Dissertação (Mestrado em Teatro) - Centro de Letras e Artes. Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, UNIRIO, 2001.

______. A Zona da Mata é rica de cana e brincadeira: uma etnografia do Mamulengo. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) - Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, UFRJ, Rio de Janeiro, 2007.

______. Mamulengo em múltiplos sentidos. In: MÓIN-MÓIN: Cenários de criação no teatro de formas animadas. Revista de Estudos sobre o Teatro de Formas Animadas. Jaraguá do Sul: SCAR/UDESC. Ano 6. nº 7 – 2010. ISSN: 1809 1385.

ARAÚJO, Antônio. A cena como processo de Conhecimento. In: Ramos, L.F. (org). Arte e Ciência: abismo de rosas. São Paulo: ABRACE, 2012.

BARROS, Ana Luísa Xavier. A produção da sexualidade feminina e o mercado capitalista. Sociedade em Debate, Pelotas, v. 7, n.1. pp. 47-54, abr. 2001.

BARROSO, Maria Helenice; BARROSO, Maria Veralice. História Oral, Memória e Cidadania. In: COSTA, Cléria Botêlho; LONGO, Clerismar Aparecido; BARROSO, Eloísa Pereira (Orgs.). História oral e metodologia de pesquisa em História: Objetos, Abordagens, Temáticas. Jundiaí, Paco Editorial: 2016.

BORBA FILHO, Hermilio. Fisionomia e espírito do Mamulengo. São Paulo: brasiliana, volume 332. Companhia Editora Nacional: São Paulo, 1966.

BROCHADO, Izabela. Distrito Federal: o Mamulengo que mora na cidade, 1990-2001. 113 f. Dissertação (Mestrado em História)–Instituto de Ciências Humanas, Universidade de Brasília, Brasília, 2001.

______. Mamulengo Puppet Theatre in the Socio-Cultural Context of Twentieth-Century Brazil. Tese (Doutorado em Teatro em Filosofia) - Samuel Beckett School of Drama. Trinity College University of Dublin, Irland, 2005.

______. Dossiê Interpretativo: Registro do Teatro de Bonecos Popular do Nordeste, Mamulengo, Cassimiro Coco, Babau e João Redondo como Patrimônio Cultural do Brasil. Brasília: Minc; Iphan; UnB; ABTB, 2014.

______. Teatro de Bonecos Popular do Nordeste. In: Arte da Cena, Goiânia, v. 1, n. 2, p. 67-87, outubro 2014/março 2015.

______. A participação do público no Mamulengo Pernambucado. In: MÓIN-MÓIN: O teatro de bonecos popular brasileiro. Revista de Estudos sobre o Teatro de Formas Animadas. Jaraguá do Sul: SCAR/UDESC, 2007 nº3. ISSN 1809-1385

______. Representações femininas no teatro de Mamulengo. In: Adágio. Revista do Centro Dramático de Évora. Pág. 63 - 67 Évora: Portugal. Nº30/31, 2001. ISSN 08724997

CARRICÓ, André. A poética cômica do Mamulengo: aspectos de uma comicidade brincante. Moringá-Artes do Espetáculo. João Pessoa, V.6 N.2 jul-dez 2015.

DEL PRIORE, Mary (org.); Carla Bassanezi Pinsky (cord. Textos). História das mulheres no Brasil. 10ª ed. 3ª impressão – São Paulo: Contexto, 2015

PIMENTEL, Altimar. O mundo mágico de João Redondo. 2ª ed. Rio de Janeiro: Minc-INACEN, 1971.

LOPES, Cida. Entrevista concedida a Barbara Benatti, no Ateliê da Família Lopes, Glória do Goitá (PE). Outubro, 2016..

MARIA, Edjane. Entrevista concedida a Barbara Benatti, no Museu do Mamulengo, Glória do Goitá (PE). Outubro,2016.

SANTOS, Fernando Augusto Gonçalvez. Mamulengo: um povo em forma de bonecos. Rio de Janeiro, FUNARTE, 1979.

______. Mamulengo o teatro de bonecos popular no Brasil. In: MÓIN-MÓIN: O teatro de bonecos popular brasileiro. Revista de Estudos sobre o Teatro de Formas Animadas. Jaraguá do Sul: SCAR/UDESC, 2007 nº3. ISSN 1809-1385.

RIBEIRO, Kaise Helena. A dialogicidade no Mamulengo Riso do Povo: interações construtivas da Performance. 2010. 186f. Dissertação (Mestrado em Artes) – Programa de Pós-Graduação em Artes da Universidade de Brasília – Unb. Brasília, 2010.

Downloads

Publicado

2020-07-25

Como Citar

BENATTI, B. D. MULHERES NO MAMULENGO, RESSIGNIFICANDO O PRECONCEITO. Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 6, n. 1, 2020. DOI: 10.5216/ac.v6i1.62195. Disponível em: https://revistas.ufg.br/artce/article/view/62195. Acesso em: 26 maio. 2024.