O OLHAR DA ONÇA: PERCURSOS DA EXPERIÊNCIA

Autores

  • Andreia Duarte Figueiredo Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v4i1.52284

Palavras-chave:

indígena, colonização, teatro, ator, experiência.

Resumo

A presente escrita busca traçar uma metodologia de pensamento em uma pesquisa na Arte da Cena, no intuito de convidar para a reflexão sobre a possibilidade que envolve a relação entre a questão indígena e o teatro. Para isso, apresenta um percurso que se deu durante 18 anos, a partir da noção de invisibilidade, da vivência por cinco anos na aldeia Kamayura e na insistência de uma prática atoral que procurou entender: como criar procedimentos de atuação a partir da corporeidade indígena e o que sublinhar do contexto dos povos originários em um espetáculo teatral? É relevante dizer que conceitos como corporeidade e colonização estiveram presentes e ajudaram a construir um teatro poético-político que busca tomar posição e resistir enquanto oportunidade. Nesta conjuntura conceitual e da prática, também no diálogo com o saber Kamayura, com líderes do movimento indígena, na discussão da performatividade e sobre a noção de experiência que passo a descrever o percurso de um não-método-método, que assenta para o teatro a abrangência que a conexão étnica pode proporcionar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andreia Duarte Figueiredo, Universidade de São Paulo

Andreia Duarte é atriz, pesquisadora, professora e produtora em artes cênicas. Doutoranda em Teatro da ECA/USP com pesquisas sobre descolonização a partir de referenciais da vida indígena e o teatro contemporâneo de resistência. Já participou como atriz de diferentes espetáculos, atua no solo Gavião de duas cabeças (direção Juliana Pautilla) e está em processo de criação com a diretora Lili Monteiro.

Referências

FÉRAL, Josette. Por uma poética da performatividade: o teatro performativo. Sala Preta, São Paulo: USP, v.8, p. 197–210, nov. 2008.

FERNANDES, Silvia. Teatralidade e performatividade na cena contemporânea. Repertório: Teatro e Dança, Salvador, v.14, n. 16, p. 11-23. 2011.

FIGUEIREDO, Andreia. Palestra do líder Davi Kopenawa. (Mediação Andreia Duarte). Cadernos de anotação. SP Escola de Teatro. 2018.

FIGUEIREDO, Andreia. O instante da cena do índio, a expressão poética de uma experiência. Local: Programa de Pós Graduação/Universidade Federal de Minas Gerais, 2015. 120 p. Dissertação (Mestrado em Arte).

FIGUEIREDO, Andreia. CARNEIRO, Juliana. Gavião de duas cabeças. (Texto) 2016a.

FIGUEIREDO, Andreia. CARNEIRO, Juliana. Gavião de duas cabeças. (Programa) 2016b.

FIGUEIREDO, Andreia. CARNEIRO, Juliana. Gavião de duas cabeças. (Projeto). 2017.

INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL. Povos Indígenas no Brasil: 2011 – 2016. (Editores gerais: Beto Ricardo e Fany Ricardo). São Paulo: Instituto Socioambiental, 2017.

INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL. Almanaque Socioambiental Parque Indígena do Xingu 50 anos. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2011.

KAMAYURA, Tacumã; KAMAYURA, Kanutary. Moroneta Kamayura: histórias Kamayura. Organização Andreia Duarte. Belo Horizonte: Literaterras; FALE/UFMG, 2013.

KRENAK, Ailton. Ailton Krenak. Org. Sérgio Cohn. 1ª Ed. Rio de Janeiro: Azougue, 2015. P 264.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: Palavras de um xamã Yanomami. Trad. Beatriz Perrone. 1ª edição. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

LARROSA, Jorge. Tremores, escritos sobre experiência. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

MARTINS, Leda Maria. Performances do tempo espiralar. In: RAVETTI, Graciela; ARBEX, Márcia. (Orgs.) Performance, exílio, fronteiras: errâncias territoriais e textuais. Belo Horizonte: UFMG, 2002. p. 69-91.

MARTINS, Leda Maria. A oralitura da memória. In: FONSECA, Maria N. S. (Org). Brasil Afro-Brasileiro. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

OKAMOTO, Eduardo. Dramaturgia de ator na intracultura. 2009. Dissertação (Doutorado em Artes) - Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.

RICHARDS, Thomas. Trabalhar com Grotowski sobre as ações físicas. São Paulo: Perspectiva, 2014.

RODRIGUES, Graziela. Bailarino pesquisador intérprete, processo de formação. Rio de Janeiro: Funarte, 2005.

TAYLOR, Diana. O arquivo e o repertório: performance e memória cultural nas Américas. Belo Horizonte: UFMG, 2013.

VILLAS BOAS, Orlando. A marcha para o oeste. 5ª ed. São Paulo: Globo, 1994.

Downloads

Publicado

2018-07-31

Como Citar

FIGUEIREDO, A. D. O OLHAR DA ONÇA: PERCURSOS DA EXPERIÊNCIA. Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 4, n. 1, p. 071–105, 2018. DOI: 10.5216/ac.v4i1.52284. Disponível em: https://revistas.ufg.br/artce/article/view/52284. Acesso em: 26 maio. 2024.