CENA E SUBVERSÃO NO CARNAVAL: O MARACATU RURAL E A RECENTE PRESENÇA FEMININA NESSA EXPRESSÃO ARTÍSTICA.

Autores

  • Monique Luca Maritan Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v3i2.47743

Palavras-chave:

Maracatu Rural, Cultura Popular, Feminismo

Resumo

Resumo

O presente artigo busca analisar os elementos que compõem a expressão artística popular do Maracatu Rural, majoritariamente presente no município de Nazaré da Mata – Pernambuco, tendo como principal ponto de análise o Coração Nazareno, grupo exclusivamente feminino. Além de constatar o caráter singular contido na presença feminina em uma manifestação tipicamente masculina, a investigação vem revelando que há uma grande carga de elementos cênicos nessa livre expressão popular, que lança mão, além de recursos teatrais básicos (personagens/ figuras, figurinos, máscaras, música e dança, entre outros), dos elementos conceituais que abarcam a ideia de performance, configurando assim uma expressão tradicional popular e carnavalesca que utiliza-se de um corpo cênico no momento do encontro com o público.

 

Palavras-chave: Maracatu Rural; Cultura Popular; Carnaval; Feminismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monique Luca Maritan, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Graduada em História pela Unesp - Franca, formada em interpretação pela Escola Livre de Teatro, realiza atualmente o mestrado em Artes Cênicas no Departamento de Artes do Programa de Pós Graduação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Atua na área de Cultura Popular.

Referências

ASSIS, Maria Elisabeth de Arruda. Cruzeiro do forte: a brincadeira e o jogo de identidade em um maracatu rural. Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal de Pernambuco – UFPE. 1996. Dissertação de Mestrado em Antropologia.

CAMAROTTI, Marco. Teatro do povo do nordeste: resistência e voz

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro. Rio de Janeiro: MEC/INL, 1962.

CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro. Drama, Ritual e Performance em Victor Turner. In Sociologia & Antropologia. Rio de Janeiro, v 03, 2013.p. 411- 440.

COHEN, Renato. Performance como Linguagem – Criação de um espaço-tempo de

experimentação. São Paulo, Editora Perspectiva, 1989.

COHEN, Renato. Work in Progress na Cena Contemporânea. São Paulo, Editora

Perspectiva, 1998.

DAWSEY, John Cowart. Victor Turner e Antropologia da experiência. Cadernos de Campo, USP, ano14, v.13, p. 163-176, 2005.

LYRA, Luciana de Fátima Rocha Pereira de. MITO RASGADO:Performance e Cavalo Marinho na Cena In Processo. Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas – ÚNICAMP. 2005. Dissertação de Mestrado em Artes.

MARTINS, CARLA PIRES. Cravo do canavial: "entre" o maracatu rural e a mímesis corpórea: a construção de uma dramaturgia cênica. Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da – Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN. 2013. Dissertação de Mestrado em Artes Cênicas.

MEDEIROS, Roseana Borges de. MARACATU RURAL: LUTA DE CLASSES OU ESPETÁCULO? (Um estudo das expressões de resistência, luta e passivização das classes subalternas). Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. 2003. Tese de Doutorado em Serviço Social.

OLIVEIRA, Sofia Araújo de. CULTURA POPULAR E O MARACATU RURAL: TRILHANDO O CAMINHO DO ESPETÁCULO. CULTUR Revista de Cultura e Turismo, UESC, ano05, nº1, vol. especial, p. 58 -70. Janeiro/2011.

SILVA, Gilcelia Barbosa da; PINTO, Suênia Claudiana do Nascimento; FILHA, Maria José de Paula. A PRESENÇA DAS MULHERES NA CULTURA POPULAR: o caso do Maracatus Rural e Nação. Curso de Especialização em Gênero, Desenvolvimento e Políticas Públicas, Universidade Federal de Pernambuco – UFPE. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso.

Downloads

Publicado

2017-12-30

Como Citar

MARITAN, M. L. CENA E SUBVERSÃO NO CARNAVAL: O MARACATU RURAL E A RECENTE PRESENÇA FEMININA NESSA EXPRESSÃO ARTÍSTICA. Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 3, n. 2, p. 031–040, 2017. DOI: 10.5216/ac.v3i2.47743. Disponível em: https://revistas.ufg.br/artce/article/view/47743. Acesso em: 25 maio. 2024.