Escrever sob o fascínio da imagem – ressonâncias entre o pensamento de Maurice Blanchot e Georges Didi-Huberman

Autores

  • Lilian Hack Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Édio Raniere da Silva Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.5216/vis.v15i2.48066

Palavras-chave:

Blanchot. Didi-Huberman. Imagem.

Resumo

Resumo O artigo problematiza o conceito de imagem a partir do pensamento de Maurice Blanchot e Georges Didi-Huberman. Explorando especialmente os conceitos de duplicidade da imagem em Blanchot e dupla distância do olhar em DidiHuberman, pretende-se verificar os pontos em que se faz convergir nesses autores um modo de operar o pensamento e a escrita sobre a arte em sua relação com a imagem. Nesse jogo, sujeito e objeto são lançados a uma instabilidade, movimento em que o sujeito se desfaz de si mesmo pela imagem, se desfaz de si no encontro com uma obra. Momento em que a imagem solicita a palavra e em que a língua torna-se o lugar desde onde podemos nos aproximar dela.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lilian Hack, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutoranda em Artes Visuais pela UFRGS, na área de concentração em História, Teoria e Crítica de Arte. Mestre pela mesma instituição. Integra os grupos de pesquisa Fundar: grupo de pesquisa sobre instauradores da arte contemporânea; Vida Que Vem: Arte, Política e Processos de Subjetivação; Laboratório de Pesquisa em Psicanálise, Arte e Política. Foi professora substituta na UFPEL. Em suas pesquisas dedica-se às relações entre palavra e imagem nos processos de escrita, arte e vida e processos de criação.

Édio Raniere da Silva, Universidade Federal de Pelotas

Doutor em Psicologia Social e Institucional pela UFRGS. Coordenador Adjunto do Curso de Psicologia da UFPEL. Membro da ABRAPSO e da ANPEPP. Suas principais pesquisas concentram-se em dois eixos temáticos: 1) Ressonâncias entre Arte e Psicologia; 2) Socioeducação. Coordena o projeto de pesquisa Vida que Vem: arte, política e processos de subjetivação; e o projeto de extensão Socioeducação (en) cena: Agenciamentos entre Psicologia Social e Teatro. 

Referências

BAVCAR, Evgen; TESSLER, Elida; CARON, Muriel. Uma câmera escura atrás de outra câmera escura: entrevista com Evgen Bavcar. In: A Invenção da Vida. Porto Alegre: Artes e Ofícios, 2001.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas – Magia e Técnica, Arte e Política. 7. ed. Tradução Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Editora Brasiliense, 1994.

BLANCHOT, Maurice. O espaço literário. Tradução Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Rocco, 2011.

______. A conversa infinita – A palavra plural (palavra de escrita). Tradução Aurélio Guerra Neto. São Paulo: Escuta, 2010.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Kafka – Por uma literatura menor. Tradução Luiz B. Orlandi. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

DIDI-HUBERMAN, Georges. O que vemos, o que nos olha. Tradução Paulo Neves. São Paulo: Editora 34, 1998.

______. De semelhança a semelhança. Tradução Maria José Werner Salles. Revista Alea, v. 13, n. 1, jan./jun. 2011. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-106X2011000100003>. Acesso em: 20 jul. 2013.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia do Saber. 7. ed. Tradução Luiz Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

LEVY, Tatiana Salem. A experiência do fora, Blanchot, Foucault e Deleuze. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

Downloads

Publicado

2017-12-19

Como Citar

HACK, L.; DA SILVA, Édio R. Escrever sob o fascínio da imagem – ressonâncias entre o pensamento de Maurice Blanchot e Georges Didi-Huberman. Visualidades, Goiânia, v. 15, n. 2, p. 69–92, 2017. DOI: 10.5216/vis.v15i2.48066. Disponível em: https://revistas.ufg.br/VISUAL/article/view/48066. Acesso em: 27 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos