Há algo de inautêntico em cada original: um brevíssimo estudo sobre a ilusão a partir do filme O Melhor Lance, de Giuseppe Tornatore

Autores

  • Rogério de Almeida (USP, Brasil) Universidade de São Paulo
  • Marcos Namba Beccari (UFPR, Brasil) Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.5216/vis.v14i1.39949

Resumo

Com base no filme O Melhor Lance (LA MIGLIORE OFFERTA, 2013), de Giuseppe Tornatore, este artigo propõe uma reflexão acerca da ilusão do duplo expressa pela dicotomia original-cópia. Após uma breve introdução de como essa dicotomia tornou-se paradigmática no pensamento ocidental, recorremos à filosofia de Clément Rosset para problematizar o mote central do filme: “há sempre algo de autêntico em cada cópia”. Defendemos, por fim, que a ilusão consiste não apenas em transformar uma coisa em duas, mas também na indisposição do iludido em aprovar uma realidade impossível de ser duplicada.

Palavras-chave: Original-cópia, ilusão, duplo

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rogério de Almeida (USP, Brasil), Universidade de São Paulo

Professor da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP). Doutor e livre-docente em Educação, ambos os títulos pela Universidade de São Paulo (USP).

Marcos Namba Beccari (UFPR, Brasil), Universidade Federal do Paraná

Professor do Departamento de Design da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (USP).

Referências

BECCARI, M. Articulações simbólicas: uma filosofia do design sob o prisma de uma hermenêutica trágica. Tese de Doutorado. Orient. Rogério de Almeida. Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, 2015.

BORDWELL, David. La narración en el cine de ficción. Barcelona, Buenos Aires, México: Paidós, 1996.

DELEUZE, Gilles. Cinema: imagem-movimento. São Paulo: Brasiliense, 1985.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Estética: a ideia e o ideal. Estética: o belo artístico ou o ideal. (Col. Os Pensadores). Tradução de Orlando Vitorino. 5ª edição. São Paulo: Nova Cultural, 1991.

HIERRO, Rafael Del. El saber trágico. De Nietzsche a Rosset. Madrid: Ediciones del Laberinto, 2001.

NIETZSCHE, Friedrich. “III Consideração Intempestiva”. In: ____. Escritos sobre educação. Trad. Noéli Correia de Melo Sobrinho. São Paulo: Ed. Loyola, 2011.

____. Ecce homo. Como alguém se torna o que é. Trad. de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

____. Crepúsculo dos ídolos: como se filosofa com o martelo. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

PERNIOLA, Mario. Desgostos: novas tendências estéticas. Trad. Davi Pessoa Carneiro. Florianópolis: Editora da UFSC, 2010.

PLATÃO. Hipias Maior. Trad. de Carlos Alberto Nunes. Belém: Editora Universidade Federal do Pará, 1980.

____. A República. Trad. Maria Helena da Rocha Pereira. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1993.

ROSSET, Clément. A lógica do Pior: elementos para uma filosofia trágica. Trad. de Fernando J. F. Ribeiro e Ivana Bentes. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, 1989a.

____. Princípio de Crueldade. Trad. de José Thomaz Brum. Rio de Janeiro, Rocco, 1989b.

____. Le réel: traité de l’idiotie. Paris: Les Éditions de Minuit, 2004.

____. O Real e seu duplo: ensaio sobre a ilusão. Trad. de José Thomaz Brum. Rio de Janeiro: José Olympio, 2008.

Referência Fílmica

TORNATORE, Giuseppe. O Melhor Lance [La migliore offerta]. Italia: Paco Cinematografica/Warner Bros., 2013.

Downloads

Publicado

2016-08-30

Como Citar

ALMEIDA (USP, BRASIL), R. de; BECCARI (UFPR, BRASIL), M. N. Há algo de inautêntico em cada original: um brevíssimo estudo sobre a ilusão a partir do filme O Melhor Lance, de Giuseppe Tornatore. Visualidades, Goiânia, v. 14, n. 1, 2016. DOI: 10.5216/vis.v14i1.39949. Disponível em: https://revistas.ufg.br/VISUAL/article/view/39949. Acesso em: 20 jul. 2024.