Marcas do inconsciente: grafite, psicanálise e possíveis interlocuções

Autores

  • Taís Azambuja (UFSC, Brasil) UFSC
  • Richard Perassi (UFSC, Brasil) UFSC

DOI:

https://doi.org/10.5216/vis.v14i1.34843

Resumo

O conceito de cidade inteligente aborda questões socioambientais, culturais, econômicas, artísticas, tecnológicas, entre outras. A saber, a estratégia para o trabalho inovador que investe no capital intelectual é articulada aos processos criativos em geral e aos artísticos em particular, sendo isso fundamental na dinâmica da atualidade. Este ensaio busca elucidação do conhecimento, por meio de identificação e interpretação, dos elementos característicos de expressão local da arte grafite. Para tanto, será utilizada a teoria psicanalítica como fundamento epistêmico aplicável à produção do conhecimento em geral. Propõe-se a articulação entre o grafite e a psicanálise em extensão, ou seja, no mundo, na cultura.

Palavras-chave: Cidade inteligente, grafite, psicanálise

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Taís Azambuja (UFSC, Brasil), UFSC

Psicanalista, psicóloga, mestranda em Engenharia e Gestão do Conhecimento (EGC -UFSC)

Integrante do grupo de pesquisa SIGMO - UFSC.

Especialista em saúde mental e justiça restaurativa.

Referências

AMARAL, Aracy A. Arte para quê?. São Paulo: Nobel, 1984.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: 70, 1977.

FREUD, Sigmund. Psicologia de grupo e a análise do ego (1921). In: ______. Além do princípio de prazer, psicologia de grupo e outros trabalhos. Rio de Janeiro: Imago, 2006.

______.O interesse científico da psicanálise (1913) . In:_____. Totem e tabu e outros trabalhos. Rio de Janeiro: Imago, 2006.

______.O inconsciente (1915) . In:_____. A história do movimento psicanalítico, artigos sobre a metapsicologia e outros trabalhos. Rio de Janeiro: Imago, 2006.

______.O interesse da psicanálise do ponto de vista da ciência da estética (1913). In:_____. Totem e tabu e outros trabalhos. Rio de Janeiro: Imago, 2006.

______.Esquecimentos, lapsos da fala, equívocos na ação, superstições e erros (1901). In:_____. Sobre a psicopatologia da vida cotidiana. Rio de Janeiro: Imago, 2006.

GIL, Antonio Carlos. Amostragem na pesquisa social. In: ______. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5 ed. São Paulo: Atlas, 1999. Cap. 9, 98-106 p.

LACAN, Jacques (1986) Le Séminaire, Livre VII: L’Éthique de la Psychanalyse. Paris: Seuil. _______. (2001) La Méprise du Sujet Supposé Savoir (Conferência proferida no Institut Français de Naples em 1967). In: Autres Écrits. Paris: Seuil, p. 329-339.

LACAN, Jacques. O Seminário de Jacques Lacan. Livro 11: Os quatro conceitos da psicanálise (1964). Texto estabelecido por Jacques-Alain Milher. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1988. Tradução de Le Séminaire de Jacques Lacan. Livre XI: Lesquatreconceptsfondamentaux de lapsychanalyse (1964).

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa. In: ______. Fundamentos de Metodologia Científica. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2003. cap. 9, p.174-214.

NASIO, J. - D. Lições sobre os sete conceitos cruciais da Psicanálise. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

ORLANDI, Eni. Cidade dos sentidos. Campinas: Pontes, 2004.

PERASSI, Richard. Roteiro da Arte na produção do conhecimento. Campo Grande, MS: EDUFMS, 2005.

RIVERA, Tania. O avesso do imaginário: arte contemporânea e psicanálise. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

ROCHA, Décio; DEUSDARÁ, Bruno. Análise de conteúdo e análise do discurso. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/alea/v7n2/a10v7n2.pdf. Acesso em: agosto de 2014.

Downloads

Publicado

2016-08-30

Como Citar

AZAMBUJA (UFSC, BRASIL), T.; PERASSI (UFSC, BRASIL), R. Marcas do inconsciente: grafite, psicanálise e possíveis interlocuções. Visualidades, Goiânia, v. 14, n. 1, 2016. DOI: 10.5216/vis.v14i1.34843. Disponível em: https://revistas.ufg.br/VISUAL/article/view/34843. Acesso em: 18 maio. 2024.