Museu virtual (e plural) de arte

Autores

  • Ana Beatriz Bahia Pós Graduação em História da Arte, UNISUL Centro de Referência em Formação e EaD, IFSC

DOI:

https://doi.org/10.5216/vis.v13i1.33885

Resumo

O artigo aborda os museus virtuais de arte, interfaces on-line que essas instituições desenvolvem para ampliar a comunicação com seus públicos. Evoca o conceito de museu plural proposto por Martín-Barbero e discute iniciativas em três tipos de interface: bancos de dados, visitas virtuais e jogos digitais. Analisa a relação obra-espectador que se dá em cada iniciativa, enfocando jogos de três museus: Tate Gallery de Londres, Museu Boijmans de Roterdan e Museu Virtual de Arte Brasileira. Conclui que o emprego de tecnologias não é condição, sequer garantia, para realização do conceito de museu plural, o que depende de como o museu entende seu papel institucional e relaciona-se com seus públicos.

Palavras-chave: Museu virtual, obra de arte, Martín-Barbero

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Beatriz Bahia, Pós Graduação em História da Arte, UNISUL Centro de Referência em Formação e EaD, IFSC

Ana Beatriz Bahia é Bacharel em Artes Plásticas/UDESC/1998 e Doutora em Educação/UFSC/2008. Em 2000 fundo o estúdio Casthalia, no qual atua como diretora de criação de jogos digitais educativos e artísticos, sendo um voltado ao Ensino de Arte e recomendado pelo MEC: A Mansão de Quelícera. Atua no meio acadêmico desde 2003, hoje como docente na Pós-Graduação em História da Arte/UNISUL e Professor Pesquisador/IFSC. Pesquisa a relação entre Artes, Educação e Tecnologias Digitais.

Referências

BAHIA, Ana Beatriz. Jogando Arte na Web: Educação em Museus Virtuais. 2008. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

BAHIA, Ana Beatriz. Do quadro ao jogo de fruição: Bosch Adventure Game. In Revista Palíndromo, v. 6, n. 12. Florianópolis: UDESC, 2014. Disponível em: < http://www.revistas.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/4659>. Acesso em: 02/02/2015

BAHIA, Ana Beatriz. Museu e Web: arquivos de obras de arte. In XVI Encontro da ANPAP, Florianópolis: UDESC, 2007. Disponível em: < https://www.academia.edu/8514955/Museu_e_Web_arquivos_de_obras_de_arte>. Acesso em: 02/02/2015

BARTHES, Roland. O prazer do texto. 4a edição. São Paulo: Perspectiva, 1996.

________________. O rumor da língua. 2a edição. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BELTING, Hans. O fim da história da arte: uma revisão dez anos depois. São Paulo: Cosac & Naify, 2006.

CHAGAS, Mário. Apresentação. In: ________. (org.). Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - Museus: Antropofagia da memória e do patrimônio, Brasília, n. 31, 2005.

CRIMP, Douglas. Sobre as ruínas do museu. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

MANOVICH, Lev. El lenguaje de los nuevos médios de comunicación: la imagen em la era digital. Buenos Aires: Paidós, 2006.

MARTIN-BARBERO, Jésus. Dislocaciones del tiempo y nuevas topografias de la memória. In: HOLANDA, Heloisa Buarque; RESENDE, Beatriz (orgs.). Artelatina: cultura, globalização e identidade cosmopolita. Rio de Janeiro: Aeroplano e MAM-RJ, 2000.

____________________; REY, Germán. Os exercícios do ver: hegemonia audiovisual e ficção televisiva. 2a edição. São Paulo: Senac, 2004.

OMAR, Arthur. Folha de São Paulo (entrevista concedida a Adriana Lift), São Paulo, jun. 1999. Disponível em: <http://www.museuvirtual.com.br/targets/galleries/targets/mvab/targets /arthuromar/targets/entrevistas/languages/portuguese/html/entrevistaarteeweb.html>. Acesso em: 22 mar. 2005a.

__________. Entrevista de Arthur Omar para Guiomar Ramos sobre o anti-documentário em Congo (1972) e O Anno de 1798 (1975) (transcrição de entrevista), out. 1993. Disponível em: <http://www.museuvirtual.com.br/targets/galleries/targets/mvab/targets/arthuromar/targets/entrevistas/languages/portuguese/html/sobreoantidocumentario.html>. Acesso em: 22 mar. 2005b.

V2_ARCHIVE. Jheronimus Bosch internet game. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2006.

WILL, Chris. Entrevista concedida no Museu Boijmans Van Beuningen, Roterdan, 27 nov. 2006. Notas.

Downloads

Publicado

2015-12-22

Como Citar

BAHIA, A. B. Museu virtual (e plural) de arte. Visualidades, Goiânia, v. 13, n. 1, 2015. DOI: 10.5216/vis.v13i1.33885. Disponível em: https://revistas.ufg.br/VISUAL/article/view/33885. Acesso em: 3 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos