Língua Brasileira de Sinais no ensino profissional e superior: o lugar da Libras no IFSP

Autores

  • Laura Rampazzo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), Barretos, São Paulo, Brasil. E-mail: laura.rampazzo@ifsp.edu.br https://orcid.org/0000-0002-4736-9900

DOI:

https://doi.org/10.5216/rs.v7.74339

Palavras-chave:

Libras; Rede Federal; Ensino Profissional; Ensino Superior

Resumo

Nos últimos 20 anos, importantes passos foram dados para favorecer a inclusão e acessibilidade da/à comunidade surda no Brasil. Tal visibilidade foi também impulsionada pela lei de Libras em 2002 e do decreto que a regulamenta, em 2005, que, dentre outras providências, inclui a Libras como disciplina curricular obrigatória nas licenciaturas e como optativa no ensino profissional e superior. Após o decreto, havia a expectativa de que a inclusão curricular traria impactos positivos para os surdos e sua educação. Agora, 17 anos depois, cumpre saber o lugar da disciplina nas instituições de ensino. Este artigo apresenta um mapeamento da oferta da disciplina na rede federal de ensino básico, técnico e tecnológico do estado de São Paulo, especificamente no IFSP, que apresenta a maior oferta de cursos no país na referida rede. Para tanto, foram analisadas as estruturas curriculares dos cursos, disponíveis na íntegra nos sites dos campi. A análise não envolveu observação do conteúdo programático, métodos de aprendizagem ou percepção dos discentes. Os resultados indicam que 72% dos cursos oferecem a disciplina de Libras. Em cumprimento ao decreto, a disciplina é obrigatória nos cursos de licenciatura. Também é obrigatória nos cursos de pós-graduação lato sensu na área de ensino. Embora a carga horária, em média restrita a um semestre de 33 horas, talvez não seja a ideal e os resultados não permitam avaliar o impacto da disciplina na formação dos estudantes, entende-se que a inclusão do componente contribua para, ao menos, dar mais visibilidade à comunidade surda e sua língua.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDREANI, F. O ensino da Educação Física no Instituto Federal de São Paulo. 2018. 189 f. Dissertação (mestrado Profissional). Faculdade de Ciências - Universidade Estadual Paulista, 2018. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/153692/andreani_f_me_bauru.pdf?sequence=5&isAllowed=y. Acesso em: 3 out. 2022.

BRASIL. Decreto 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial da União, Brasília, DF, p. 28, 22 dez. 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 30 set. 2022.

BRASIL. Lei 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, p. 23, 24 abr. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 30 set. 2022.

CARNIEL, F. A reviravolta discursiva da Libras na educação superior. Revista Brasileira de Educação, v. 23, 2018, p. 1-21. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782018230027. Acesso em: 30 set. 2022.

COSTA, L. et al. Ensino da Língua Brasileira de Sinais nos cursos de graduação em enfermagem. REBEn - Revista Brasileira de Enfermagem, v. 74, 2021, p. 1-6. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2020-0709. Acesso em: 30 set. 2022.

GALLAUDET RESEARCH INSTITUTE NEWSLETTER, 1984. Disponível em: https://web.archive.org/web/20120415143356/http://gallyprotest.org/stokoe_interview_gri_newsletter_fall_1984.pdf. Acesso em: 01 nov. 2022.

GESSER, A. Libras? Que língua é essa? Crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

GUARINELLO, A. C. et al. A disciplina de Libras no Contexto de Formação Acadêmica em Fonoaudiologia. Revista CEFAC, v. 15, n. 2, 2013, p. 334-340. https://doi.org/10.1590/S1516-18462012005000047. Acesso em: 30 set. 2022.

IACHINSKI, L. T. et al. A inclusão da disciplina de Libras nos cursos de licenciatura: visão do futuro docente. Audiology Communication Research, v. 24, 2019. https://doi.org/10.1590/2317-6431-2018-2070. Acesso em: 30 set. 2022.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO (IFSP). Institucional. Apresentação. Disponível em: https://ifsp.edu.br/institucional. Acesso em: 3 out. 2022.

KENDRICK, D.; CRUZ, G. C. Libras e formação docente: da constatação à superação de hierarquias. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 26, n. 4, 2020, p. 571-586. https://doi.org/10.1590/1980-54702020v26e0095. Acesso em: 30 set. 2022.

KUMADA, K. M. O.; PRIETO, R. G. Desdobramentos da política de educação superior para formação do docente de Libras. Cadernos de Pesquisa, v. 49, n. 173, 2019, p. 64-83. https://doi.org/10.1590/198053145975. Acesso em: 30 set. 2022.

MAZZU-NASCIMENTO, T. et al. Fragilidade na formação dos profissionais de saúde quanto à Língua Brasileira de Sinais: reflexo na atenção à saúde dos surdos. Audiology Communication Research, v. 25, 2020. https://doi.org/10.1590/2317-6431-2020-2361. Acesso em: 30 set. 2022.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Plataforma Nilo Peçanha. Disponível em: https://www.gov.br/mec/pt-br/pnp. Acesso em: 3 set. 2022.

OLIVEIRA, A. S. R. et al. Ensino da Língua Brasileira de Sinais durante a graduação em Medicina: a percepção dos futuros médicos. Audiology Communication Research, v. 27, 2022. https://doi.org/10.1590/2317-6431-2022-2634. Acesso em: 30 set. 2022.

PAIVA, G. O. S.; MELO, F. R. L. V. Acessibilidade Linguística de Surdos no Ensino Superior: Reflexões sobre o Curso de Letras Libras/Língua Portuguesa da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 27, 2021, p. 89-104. https://doi.org/10.1590/1980-54702021v27e0154. Acesso em: 30 set. 2022.

QUADROS, R. M. Libras. Linguística para o ensino superior. São Paulo: Parábola, 2019.

QUADROS, R. M.; PATERNO, U. Políticas linguísticas: o impacto do decreto 5.626 para os surdos brasileiros. Espaço: informativo técnico-científico do INES, n. 25, 2006, p. 19-25.

QUADROS, R. M.; PIZZIO, A. L.; REZENDE, P. L. F. Língua Brasileira de Sinais I. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009. Disponível em: https://www.libras.ufsc.br/colecaoLetrasLibras/eixoFormacaoEspecifica/linguaBrasileiraDeSinaisI/assets/459/Texto_base.pdf. Acesso em: 01 nov. 2022.

SANTOS, A. N. Efeitos discursivos da inserção obrigatória da disciplina de Libras em cursos de licenciatura no Brasil. 2016. 402 f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2016.

SANTOS, A. N.; KLEIN, M. Inserção da disciplina de Libras nos cursos de licenciatura: discursos que produzem efeitos. Revista Espaço, n. 45, 2016.

SKLIAR, C. Um olhar sobre o nosso olhar acerca da surdez e das diferenças. In: SKLIAR, C. (Org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. 8. ed. Porto Alegre: Mediação, 2016, p. 5-32.

SOUZA, R. A. A implantação da Libras nas licenciaturas: desmistificando conceitos. Educação, Artes e Inclusão, v. 13, n. 3, 2017. https://www.revistas.udesc.br/index.php/arteinclusao/article/view/9245. Acesso em: 30 set. 2022.

STOKOE, W. Sign and Culture: A Reader for Students of American Sign Language. Silver Spring: Listok Press, 1960.

Downloads

Publicado

2022-12-01

Como Citar

RAMPAZZO, L. Língua Brasileira de Sinais no ensino profissional e superior: o lugar da Libras no IFSP. Revista Sinalizar, Goiânia, v. 7, 2022. DOI: 10.5216/rs.v7.74339. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revsinal/article/view/74339. Acesso em: 23 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos