A língua de sinais como segunda língua na Austrália: uma entrevista com Louisa Willoughby

Autores

Palavras-chave:

Auslan; segunda língua; aprendizes ouvintes.

Resumo

Devido ao incentivo da legislação, com a Lei nº. 10.436 (BRASIL, 2002), desde 2002 há no Brasil importantes políticas linguísticas sendo desenvolvidas em prol da inclusão das pessoas surdas. Uma dessas políticas é a vertente pedagógica do ensino da Língua Brasileira de Sinais (Libras) como uma segunda língua (L2) para pessoas ouvintes. Essa área, apesar de apresentar incipiência de arcabouço teórico-metodológico, tem trazido contribuições substanciais à prática pedagógica. Na Austrália, todavia, o mesmo não ocorre, já que o desenvolvimento tecnológico (e o uso expressivo do implante coclear) e a abordagem oralista têm prevalecido em detrimento da educação bilíngue para surdos. É nesse contexto que a professora doutora Louisa Willoughby — da Universidade Monash, em Melbourne — tem desenvolvido estudos sobre a Australian Sign Language (Auslan), língua australiana de sinais como L2, para ouvintes. Neste trabalho, temos o objetivo de apresentar a entrevista realizada em 2021 com ela, de modo que suas afirmações possam ser comparadas ao estado da arte da Libras como L2. Assim, esperamos que os leitores observem semelhanças e diferenças de acordo com os conhecimentos já socializados pela área.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BONTEMPO, K. Signed language interpreting. In: MIKKELSON, H.; JOURDENAIS, R. The Routledge handbook of interpreting. Oxon: Routledge, 2015. p. 112-128.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, [2002]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 15 mar. 2022.

BRASIL. Decreto 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002 que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18o da Lei no 10.098 de 19 de dezembro de 2000. . Brasília, DF: Presidência da República, [200]. Disponível em: Decreto nº 5626 (planalto.gov.br). Acesso em: 17 jun. 2022

CRESDEE, D. V. A study of the way (s) to teach signed discourse cohesion, particularly reference, within a story text. 2006. Thesis (Doctorate in Philosophy) – Centre for Access and English as a Second Language, Charles Darwin University, Australia, 2006.

LO BIANCO, J. National Policy on Languages. Australian Review of Apllied Linguistic, Canberra, Australian Government Publishing Service, v. 10, p. 23-32, 1987.

SILVA, L. Aquisição de segunda língua: o estado da arte da Libras. Alfa: Revista de Linguística, São José do Rio Preto, v. 64, p. 1-29, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1981-5794-e11861. Acesso em: 16 jun. 2022.

REZENDE, P. L. F. Implante coclear na constituição dos sujeitos surdos. 2010. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Florianópolis, 2010.

WILLOUGHBY, L.; SELL, C. Studying a sign language: what are hearing adults doing outside of class? Sign Language Studies, v. 19, n. 3, p. 453–478, 2019.

Downloads

Publicado

2022-10-20

Como Citar

DA SILVA, L.; GAIA, S. A língua de sinais como segunda língua na Austrália: uma entrevista com Louisa Willoughby. Revista Sinalizar, Goiânia, v. 7, 2022. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revsinal/article/view/72828. Acesso em: 22 jun. 2024.

Edição

Seção

Entrevista